Dois peruanos e um catarinense são os campeões no Quiksilver & Roxy Iquique Pro, no Chile

Os surfistas do Peru ganharam a maioria dos títulos no Chile, com as vitórias valendo a liderança nos rankings regionais da World Surf League (WSL) Latin America. Sol Aguirre levou os dois troféus de campeã do Roxy Iquique Pro, o da primeira etapa de 3.000 pontos do Qualifying Series (QS) na América do Sul esse ano e o da categoria Pro Junior. Depois, Miguel Tudela fechou o domingo com outra vitória para o Peru, na decisão do Quiksilver Iquique Pro QS 3000 com o argentino José Gundesen. E Heitor Mueller igualou o recorde de nota – 9,67 – nas direitas de La Punta, na decisão brasileira com Diego Aguiar, valendo o primeiro lugar no ranking Pro Junior

Miguel Tudela Foto: Kermichh Iquique Pro

Os três chegaram no Chile com vitórias nos últimos campeonatos que participaram. A dobradinha peruana de Sol Aguirre e Miguel Tudela no Quiksilver & Roxy Iquique Pro, já havia acontecido duas semanas atrás, na estreia das Ilhas Galápagos, no Equador, no calendário da World Surf League.

A primeira vitória de Sol Aguirre foi na decisão do título da categoria para surfistas com até 20 anos de idade, contra Tainá Hinckel. A segunda na final peruana com Arena Rodriguez Vargas no Roxy Iquique Pro, quando registrou um novo recorde feminino de 16,50 pontos nos 3 anos de história desta etapa do QS.

“Não tenho nem palavras para descrever o que estou sentindo”, disse Sol Aguirre, logo após a segunda vitória. “Não consegui bons resultados nos primeiros campeonatos, mas todos que gostam de mim, seguiram me motivando e eu sabia que esse evento aqui era importante. Eu não entrei no Challenger ano passado, mas eu sabia que Deus tem um caminho para cada um e eu teria que seguir o meu caminho. Então, não pode ter nada melhor do que duas vitórias. Eu ganhei o 3000, ganhei o Pro Junior e, para mim, é uma benção estar aqui”.

A primeira vitória foi a mais difícil para Sol Aguirre conquistar. A final do Roxy Iquique Pro Junior foi entre as duas surfistas que vêm dominando esta categoria Sub-20 nos últimos anos. 

Dominic Barona, Isabelle Nalu, Sol Aguirre e Arena Rodriguez Foto: Kemichh Iquique Pro

Tainá Hinckel ganhou seu primeiro título sul-americano Pro Junior em 2016 e a peruana foi bicampeã em 2017 e 2018. Tainá voltou a vencer em 2019 e Sol chegou ao tricampeonato em 2021. A brasileira estava na frente na final em Iquique, até a peruana pegar uma onda faltando 2 minutos e tirar a nota que precisava, para virar o placar para 11,94 a 10,73 pontos.

“A Tainá é uma surfista muito boa e eu precisava de nota no final. Eu consegui pegar uma boa onda, surfei ela até o fim e estou super agradecida de poder ganhar”, disse Sol Aguirre. “Dedico essas vitórias a minha família, meus amigos, todos que me apoiam, meus patrocinadores, treinadores, a todo o Peru e a toda gente linda aqui de Iquique. Para mim, o mais importante é ter essa conexão com o lugar onde acontecem os campeonatos, com as ondas, as pessoas. Aqui me sinto em casa, então estou muito agradecida por todos”.

Ao contrário da bateria com Tainá HinckelSol Aguirre começou muito bem a final peruana com Arena Rodriguez Vargas. Ela praticamente garantiu a vitória no Roxy Iquique Pro QS 3000 nos primeiros minutos. Entraram boas ondas e Sol atacou forte as direitas de La Punta, ganhando notas 7,83 e 7,27 seguidas.

O máximo que Arena conseguiu foi 6,40 e Sol ainda selou a vitória com um novo recorde nos 3 anos de história do QS de Iquique. Ela acertou tudo na última onda que surfou, os juízes deram 8,67 e os 16,50 pontos da vitória de Sol Aguirre no Roxy Iquique Pro QS 3000, passaram a ser a maior somatória da categoria feminina, superando os 15,73 da americana Meah Collins em 2019.

Ranquings regionais

Sol Aguirre Foto: Kermichh Iquique Pro

A vitória Chile confirmou Sol Aguirre na liderança do ranking regional da WSL Latin America, que vai classificar quatro surfistas para o Challenger Series de 2023. Ela está em primeiro lugar com 4.500 pontos, com Dominic Barona em segundo com 3.475, Arena Rodriguez em terceiro com 3.095 e Tainá Hinckel em quarto com 3.095. A quinta colocada é outra brasileira da nova geração, Isabelle Nalu, com 2.625 pontos. A experiente Silvana Lima, caiu do segundo para o sexto lugar com 2.446 pontos.

O ranking masculino da WSL Latin America indicará dez surfistas para disputar vagas para o CT no Challenger Series de 2023. A liderança foi decidida na grande final do Quiksilver Iquique Pro QS 3000 e a batalha começou onda a onda.

Até Miguel Tudela ganhar um 8,83 com seu backside nas direitas de La Punta. O argentino José Gundesen também surfou forte de backside e conseguiu uma nota 8,00 com suas batidas debaixo do lip. Mas, Miguel ainda pegou outra boa e somou 7,33 na vitória por 16,16 a 14,70 pontos.

“Estou super contente pela vitória”, disse Miguel Tudela“Acredito que a minha constância no evento, foi o mais importante, mas não gostei muito da final. Eu caí muito, cometi vários erros na bateria e sorte que o Nacho (José Gundesen) também cometeu alguns. Mas veio aquela onda muito boa no final, acho que foi a melhor de todo o evento e eu pude surfar do começo ao fim. Tiveram muitas ondas boas no evento, o lugar é incrível e estamos todos muito felizes”.

Quiksilver Iquique Pro QS 3000 foi o segundo evento da WSL Latin America que Miguel Tudela participou esse ano e já lidera o ranking com as vitórias no Chile e em Galápagos. Miguel representou o Peru na estreia do surfe nas Olimpíadas de Tóquio e participou das duas últimas etapas do CT em Pipeline, como convidado. Ele não conseguiu vaga no Challenger Series deste ano e tenta classificação para 2023. Os rankings regionais da WSL Latin America vão computar os quatro melhores resultados na temporada 2022/2023.

“Quero seguir somando pontos no ranking regional, para chegar no fim do ano classificado para o Challenger”, disse Miguel Tudela“O principal é isso, mas focar também no Panamericano que vem aí, então quero participar do maior número de campeonatos, para seguir evoluindo. Quero agradecer a todas as pessoas do Peru, a Sol (Aguirre), a Arena (Rodriguez), a Kalea (Gervasi) e toda a equipe do Peru, que vem surfando muito bem. Fico contente em ver as meninas elevando nosso nível. Vamos com tudo, adiante… Arriba Perú!”.

Final brasileira em Iquique

Weslley Dantas, Gabriel André, Miguel Tudela, José Gundesen e o prefeito de Iquique
Foto: Kermichh / Iquique Pro

Um surfista também da nova geração do Brasil, liderava o ranking principal da WSL Latin America, até a vitória de Miguel Tudela no QS 3000 do Chile. Heitor Mueller tem apenas 17 anos de idade e no domingo da semana passada, estava nas águas quentes do Nordeste do Brasil, conquistando sua primeira vitória em etapas do QS. Ele perdeu a primeira posição nas ondas geladas de Iquique e caiu para o quarto lugar, mas já está liderando o outro ranking sul-americano,da categoria para surfistas com até 20 anos.

A batalha pela primeira posição foi na final brasileira do Quiksilver Iquique Pro Junior. Quem vencesse ficaria na frente e Heitor Mueller foi o campeão com a maior nota da semana nas direitas de La Punta. Ele destruiu uma onda da série, com batidas e rasgadas que arrancaram duas notas 10 dos cinco juízes.  A média ficou em 9,67, igualando a nota do tubaço do Valentin Neves dias atrás. Diego Aguiar também surfou bem, mas não conseguiu tirar a vitória de Heitor Mueller e divide com Ryan Kainalo, a segunda posição no ranking sul-americano Pro Junior, que classifica dois surfistas para o Mundial da World Surf League.

“Está sendo tudo muito diferente para mim o que tem acontecido”, disse Heitor Mueller“Eu estava treinando muito focado e agora estão vindo os resultados, então estou muito feliz com tudo isso. Quero agradecer a todos que mandam energia, isso é muito importante pra mim estou amarradão. É isso, é continuar focado, passar várias baterias, fazer várias finais, manter esse surfe, que está muito bom, treinar outras manobras e vamos com tudo, vamos ganhar mais campeonatos aí!”.

Resultados do último dia

FINAL DO QUIKSILVER IQUIQUE PRO QS 3000:
Campeão: Miguel Tudela (PER) por 16,16 pts (8,83+7,33) – US$ 8.000 e 3.000 pontos
Vice-campeão: José Gundesen (ARG) com 14,70 pts (8,00+6,70) – US$ 4.000 e 2.340 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 1.825 pontos e US$ 2.000:
1.a: Miguel Tudela (PER) 15,84 x 14,97 Weslley Dantas (BRA)
2.a: José Gundesen (ARG) 12,80 x 12,73 Gabriel André (BRA)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 1.423 pontos e US$ 1.000:
1.a: Weslley Dantas (BRA) 13,60 x 8,44 Gabriel Arturo Vargas (PER)
2.a: Miguel Tudela (PER) 11,80 x 6,13 Guillermo Satt (CHL)
3.a: Gabriel André (BRA) 13,66 x 7,74 Igor Moraes (BRA)
4.a: José Gundesen (ARG) 12,96 x 11,77 Lucas Vicente (BRA)

FINAL DO ROXY IQUIQUE PRO QS 3000:
Campeã: Sol Aguirre (PER) por 16,50 pts (8,67+7,83) – US$ 8.000 e 3.000 pontos
Vice-campeã: Arena Rodriguez (PER) com 12,23 pts (6,40+5,83) – US$ 4.000 e 2.340 pts

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 1.825 pontos e US$ 2.000:
1.a: Sol Aguirre (PER) 13,40 x 10,50 Dominic Barona (ECU)
2.a: Arena Rodriguez Vargas (PER) 11,53 x 10,23 Isabelle Nalu (BRA)

FINAL DO QUIKSILVER IQUIQUE PRO JUNIOR:
Campeão: Heitor Mueller (BRA) por 15,44 pts (9,67+5,77) – US$ 1.000 e 1.000 pontos
Vice-campeão: Diego Aguiar (BRA) com 13,67 pts (7,67+6,00) – US$ 400 e 800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 650 pontos e US$ 250:
1.a: Diego Aguiar (BRA) 13,80 x 12,50 Leo Casal (BRA)
2.a: Heitor Mueller (BRA) 13,23 x 10,67 Ryan Kainalo (BRA)

FINAL DO ROXY IQUIQUE PRO JUNIOR:
Campeã: Sol Aguirre (PER) por 11,94 pontos (6,67+5,27) – US$ 1.000 e 1.000 pontos
Vice-campeã: Tainá Hinckel (BRA) com 10,73 pts (5,83+4,90) – US$ 400 e 800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 650 pontos e US$ 250:
1.a: Sol Aguirre (PER) 10,67 x 8,73 Kalea Gervasi (PER)
2.a: Taina Hinckel (BRA) 12,67 x 11,60 Naire Marquez (BRA)

RANKINGS REGIONAIS DA WSL LATIN AMERICA:

TOP-10 DA CATEGORIA MASCULINA – 5 etapas:
1.o: Miguel Tudela (PER) – 4.000 pontos
2.o: Gabriel André (BRA) – 3.125
3.o: José Gundesen (ARG) – 2.695
4.o: Heitor Mueller (BRA) – 2.645
5.o: Ryan Kainalo (BRA) – 2.445
6.o: Weslley Dantas (BRA) – 2.325
7.o: Lucas Vicente (BRA) – 2.055
8.o: Igor Moraes (BRA) – 1.773
9.o: Santiago Muniz (ARG) – 1.650
10.o: Leo Casal (BRA) – 1.630

TOP-10 DA CATEGORIA FEMININA – 5 etapas:
1.a: Sol Aguirre (PER) – 4.500 pontos
2.a: Dominic Barona (ECU) – 3.475
3.a: Arena Rodriguez Vargas (PER) – 3.290
4.a: Tainá Hinckel (BRA) – 3.095
5.a: Isabelle Nalu (BRA) – 2.625
6.a: Silvana Lima (BRA) – 2.446
7.a: Melanie Giunta (PER) – 2.423
7.a: Genesis Garcia (ECU) – 2.423
9.a: Kiany Hyakutake (BRA) – 1.890
10.a: Karol Ribeiro (BRA) – 1.795

TOP-5 DO RANKING PRO JUNIOR – 2 etapas
1.o: Heitor Mueller (BRA) – 1.500 pontos
2.o: Ryan Kainalo (BRA) – 1.450
2.o: Diego Aguiar (BRA) – 1.450
4.o: Cauã Costa (BRA) – 1.295
5.o: Daniel Templar (BRA) – 1.000
5.o: Ian Casal (BRA) – 1.000

TOP-5 DO PRO JUNIOR FEMININO – 2 etapas
1.a: Sol Aguirre (PER) – 2.000 pontos
2.a: Tainá Hinckel (BRA) – 1.300
3.a: Arena Rodriguez Vargas (PER) – 1.000
3.a: Nairê Marquez (BRA) – 1.000
3.a: Kalea Gervasi (PER) – 1.000

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *