Naufragados para poucos

Na quarta-feira da última semana, uma forte e consistente ondulação de sul atingiu Florianópolis (SC), gerando ondas fortes e muito tubulares no pico de Naufragados. Na quinta-feira de manhã, uma equipe do canal Shot Spot recebeu a confimação de que as ondas em Naufragados estavam pesadas, nem tão perfeitas, mas muito tubulares.

‘Nesse episódio tivemos tantas imagens iradas que foi difícil de deixar boa parte do material de fora e o resultado final foi um Filme de Surf. Mostraremos como foi a produção da nossa equipe durante uma sessão épica de surf na praia de Naufragados.

Então, antes de dar o play, segue abaixo um breve relato. Semana passada rolou um ciclone e boa parte da costa litorânea brasileira sul e sudeste receberam rajadas de até 50 Km/h de vento SUL durante todo o dia da terça feira (21).

Tudo indicava uma forte e consistente ondulação de sul encostando no litoral. Na quarta feira as ondas alcançavam os 2 metros, mas o vento ainda estava rasgando de maral. Os sites de previsões de ondas apontavam que o vento mudaria para o quadrante norte no dia seguinte e a ondulação ganharia, ainda mais, pressão.

Condições ideais para quebrar Naufragados, aquela direita, que nos vídeos, parecem perfeitas como nos filmes de surf. Na quinta feira de manhã, recebemos o boletim de que estava quebrando do jeito. “Do jeito” não quer dizer fácil e nem perfeita, e sim, muito desafiadora, até mesmo para os mais graduados! Olhando nos filmes de surf, parece fácil pegar esta onda, mas lá dentro o papo é outro e o bicho pega!

Desta vez não foi um swell gigantesco, o que não quer dizer que a onda perdeu seu poder de deglutir um surfista e sua prancha como um ser humano mastiga uma paçoca no lanche da tarde. Com séries de até 12 pés, o dia foi de muitos tubos, altas vacas, perrengues e muito “faixa preta” puxando o bico.

Essa onda exige muito respeito, mesmo! Chegamos na praia por volta do meio dia e havia um crowd de profissionais com muita experiência. Entre eles, o Campeão Olímpico, Ítalo Ferreira, que já havia terminado sua session. Outros graduados como Paulo Moura, Gustavo Schlickmann, Luan Wood, Marcio Farney, Marcelo Trekinho e entre outros.

O grande destaque na sessão novamente ficou para o surfista Júlio Terres, que com maestria, chamou uma das direitas mais cascudas do Brasil para dançar em frente as pedras. Julinho deu show! Tubos seguidos de manobras fizeram a alegria dos fotógrafos e vídeo makers presentes! Esperamos que vocês gostem desse vídeo de surf e nos deixem sua curtida e o seu comentário. Tamo junto galera.

Imagens: – Douglas Cominski – Guto Penteado – Igor Zanin
Edição: – Igor Zanin
Texto: Guto Penteado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *