20 de junho de 2024

18º Campeonato de Surf do Bananinha

0

O último domingo (15), na praia do Porto, em Imbituba (SC), foi novamente diferente para muitos. Mas, exatamente como se deu no início da jornada do surfista e voluntário Leandro Elias, o Bananinha. O reconhecimento pelo trabalho e dedicação a tantas crianças e até jovens, bem como as famílias e amigos presentes, é algo a se reconhecer sempre.

Gustavo Ramalho foi dos vencedores do 18º Campeonato de Surf do Bananinha, Foto: Luciano Valenzand.

O sucesso do evento não se deve a competição. Muito menos a ação social promovida. Vai muito além do projeto social já reconhecido nacional e internacionalmente. É parte disso tudo. Ver rostos estampados de sorrisos, liberdade e esperança neste dia, é o bônus que Leandro Elias Bananinha recebe por promover igualdade e esperança a tantas crianças, pais e amigos.

Quem sabe, o maior campeonato de surf inclusivo do mundo!!

Pela 18ª vez, o maior evento inclusivo de surf de Imbituba, quem sabe, de Santa Catarina, ou mesmo do Brasil, o Campeonato de Surf do Bananinha, atraiu uma legião de crianças, jovens e adultos, não só de Imbituba, mas de Garopaba, Florianópolis, e de outras cidades, Crianças de todas as idades, classes sociais e pensamentos.

“Eu tava ansioso a semana toda, mas a união faz a força, e quando os amigos se juntam, acaba dando tudo certo. Todo mundo sabe que é muito bom ver uma criança sorrindo. A gente sabe que a água salgada do mar faz ela ficar mais bonita”.

Uma verdadeira legião de futuros bons surfistas, com perspectivas e considerações integrais pelo esporte e até pelo meio ambiente, ou de estudantes, ou mesmo, adultos que serão felizes e bem sucedidos nas carreiras que decidirem seguir. Um banho de humildade e apreço pelo próximo são as palavras mais próximas para definir este domingo.

O reconhecimento continua: Nada mudou sua perspectiva com os alunos

Talvez isso tenha feito Bananinha chegar onde nem ele imaginava em seus sonhos mais ousados, como quando apareceu no Caldeirão do Huck, na Rede Globo, ou chegou para conhecer o maior ícone do surf mundial, Kelly Slater, em sua cobiçada piscina de ondas artificiais, em Lemore, na Califórnia (EUA). E tudo isso partiu de um simples gesto de reconhecimento do Campeão Mundial de Surf, o brasileiro Adriano de Souza Mineirinho.

“A gente cobra os estudos, que eles escovem os dentes, ficam todas com os dentes branquinhos, cabelinho cortado, e isso pra mim é sempre uma renovação. Eu não sei o que acontece que eu apenas faço. Haja amigos pra ajudar!!”

O dia não ajudou muito, amanhecendo nublado, com cara de chuva, a qual era uma das previsões. Aos poucos, a medida que o dia ia avançando, o sol apareceu. E o forte vento nordeste, que soprou o dia inteiro, não atrapalhou em nada o dia e os momentos que toda aquela criançada viveu.

As inscrições para participar o evento eram de um quilo de alimento não perecível, e as crianças e pais fizeram uma longa fila para entregar, e um dos motivos para a competição atrasar seu início. Totalmente compreensível. Todos que trabalharam no evento, não se afetaram com isso, queriam mesmo era ajudar.

Um dos maiores exemplos do 18º Campeonato de Surf do Bananinha, era o jovem Kevin Nascimento. Estava lá, como já havia feito em todas as outras edições, desde quando entrou no projeto social do Bananinha. Da sua chegada tímida anos atrás, como descreveu Leandro Elias, hoje é um dos que mais interage com todos.

Ao ser peguntado sobre o evento e o projeto social durante a entrega de prêmios, Bananinha respondeu, “Eu não paro, porque eu gosto de acompanhar o crescimento das crianças, há uma necessidade de dar uma atenção pra elas, e a gente mora num bairro que tem muita criança. Todo mundo chega aqui e vê uma criança sorrindo. Não tem preço. Agora eu vou pra casa felizão da vida também”.

As baterias: Show de Kevin e alunos de Bananinha mostra a evolução

Kevin Nascimento levou a melhor na Open e venceu o professor Bananinha. Foto: Luciano Valenzano.

Mesmo com o forte vendo nordeste que soprou neste domingo (15). as ondas contribuíram, mesmo pequenas, e a molecada queria saber era de surfar, se divertir, e quem sabe vencer. A tônica era estar junto, participar. Leandro Bananinha comandava a festa, sem parar um segundo. Na categoria até 10 anos, o pequeno Kauan Schineider, levou a melhor ao vencer Eduardo Ferreria (2º), Francisco Olandin (3º) e Mário Cesar (4º).

Santiago Valenzano: Rei das viradas

Santiago Valenzano venceu a Sub 12 e foi vice na Sub 14. Foto: Luciano Valenzano.

Na Sub 12, o jovem aluno da Escola de Surf do Bananinha, acompanhado pela família toda levou a melhor. Na semifinal Santiago conseguiu uma virada incrível, pulando de quarto lugar para a liderança. Ele deixou Natan Rosa em 2º, Pedro Ferreira em 3º e Pedro Chanche em 4º. Já na Sub 14, Igor Pereira evitou que Santiago Valenzano fizesse dobradinha no evento, deixando-o em segundo, Natan Rosa em 3º e Luan Alves em 4º

Gustavo Ramalho vence: ‘Marmajinhos’ bons de surf incendeiam a praia do Porto

Gustavo Ramalho venceu e mostrou porque já fez parte da equipe catarinense de surf (Fecasurf). Foto: Luciano Valenzano

A coisa começou a ficar séria mesmo, na final Sub16. Os ‘marmanjinhos’ bons no surf, incendiaram a praia do porto. Gustavo Ramalho, surfista imbitubense que já fez parte da equipe catarinense da Federação Catarinense de Surf (Fecasurf), não deu chances para os adversários. Ramalho venceu na grande final, Micael Dimitri (2º), Lucas Gasperin (3º) e o vencedor da Sub14, Igor Pereira (4º).

Na Open, Bananinha tira onda mas não supera seu aluno Kevin

Bananinha dando aula mais uma vez. Foto: Luciano Valenzano.

Entre os surfistas que disputaram a Open, o idealizador do projeto Escola de Surf do Bananinha, Leandro Elias. Kevin Nascimento, um dos mais antigos alunos da Escolinha, foi o vencedor, mas por pouco Bananinha não tira a vitória de Kevin.

Onda a onda, Bananinha se mantinha firme em busca da vitória mas, era difícil superar os aéreos e o surfe inovador e progressivo de Kevin, que aprendeu direitinho a lição com o mestre. Na terceira colocação da Open, Kauan Rosa, e o quarto lugar ficou com Lucas Nunes. Na disputa Feminina, Vic Valenzano levou a melhor sobre Daniela Nascimento (2ª), Denise Castro (3ª) e Marina Amorim (4ª).

18º Campeonato de Surf do Bananinha

O evento contou com o patrocínio da Silverbay, FKP Soluções em Logística e Açaí Sport De Marchi.

E como apoiadores, Empty, Fabio Carvalho Surf e Skate Shop, Imbiwave, SH Bants, Gustavo pneus, NZ, Dindus Lanches, Terra Sol, Sul Gesso, Porto dos Pães, Rosa Chá, Loft Praia da Vila, Sanaval, Go Kite, Mar John, Villa Surf, Manga Wax, Panificadora Gabriel, Churrascaria Boi Preto, 89.3 FM, Pico da Tribo, Pro Artes, Giulliê Espeling, Adocika, Mini Kalzone, Kite Nana Praia da Vila, Vitrais , Padaria Ivan, CVC, Sorveteria Ar do Mar, Madereira Santa Clara Santa Clara, Vila Surf Shop, Mastercel Vivo, Estúdio Fotográfico Mariana Rodrigues, Sicredi, Faiep, Tele Entulho Anel e Duotone.

O Corpo de Bombeiros de Imbituba participou com o apoio na segurança dis atletas e o site Surfemais fez a cobertura do evento. E a Wavedata, que trouxe toda a tecnologia já consolidada nos maiores eventos de surf, entre outros esportes, no Brasil e pelo mundo para o 18º Campeonato de Surf do Bananinha.

Resultados do 18º Campeonato do Bananinha 2019

Sub10
1º Kauan Schineider
2º Eduardo Ferreira
3º Francisco Orlandin
4º Mario Cesar

Sub12
1º Santiago Valenzano
2º Natan Rosa
3º Pedro Ferreira
4º Pedro Chanche

Sub14
1º Igor Pereira
2º Santiao Valenzano
3º Natan Rosa
4º Luan Alves

Sub16
1º Gustavo Ramalho
2º Micael Dimitri
3º Lucas Gasperin
4º Igor Pereira

Open
1º Kevin Nascimento
2º Bananinha
3º Kauan Rosa6.90 
4º Lucas Nunes6.84

Feminino
1ª Vic Valenzano
2ª Daniela Nascimento
3ª Denize Castro
4ª Marina Amorim

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *