20 de abril de 2024

Dunas da Ribanceira, em Imbituba (SC) finalmente protegidas

3

Nesta segunda feira (1º) o Diário Oficial dos Municípios foi publicado com uma novidade, o Tombamento das Dunas da Ribanceira, em Imbituba, ainda que provisório, e saiba porque abaixo. Após uma luta incessante de um grupo de pessoas da cidade, entre 2013 e 2014 as dunas da Riba deixaram de ser exploradas. Esta corrida contra o tempo vem desde os anos 80

1º Abraço Simbólico as Dunas da Ribanceira, em 2013, contou a presença de quase 200 pessoas, Foto: Eduardo Rosa

Em setembro deste ano estarão completos 10 anos de preservação das dunas da Ribanceira, em Imbituba (SC), um marco histórico para a conservação de um dos maiores patrimônios da cidade, e que se tornou uma ressignificado para a luta pela preservação de toda Imbituba.

Casualmente, neste dia 1º abril, apesar de popularmente conhecido como ‘dia da mentira’, a publicação do Diário Oficial dos Municípios de SC (DOM) de nº 5809673, referente a Resolução CMPC/IMB Nº 01, DE 22 DE SETEMBRO DE 2023, ficou definido o ‘Tombamento provisório do Conjunto Paisagístico e Arqueológico das Dunas da Ribanceira‘.

A imensidão das dunas da Ribanceira, só pode ser visto a distância. Foto: Eduardo Rosa.

Além disso, no artigo 4º desta resolução, define algo muito importante para a preservação das dunas, em que o Conselho e Diretoria de Cultura da cidade chama para si a responsabilidade, a partir de agora, das dunas da Ribanceira: ‘Qualquer intervenção na área tombada e bem como no seu entorno será submetida, previamente, à análise do Órgão Gestor da Cultura, que emitirá parecer e submeterá ao Conselho Municipal de Política Cultural‘.

Tombamento ‘provisório’: Medida depende agora de medições em campo

O processo de tombamento das dunas da Ribanceira foi uma deliberação do Conselho Municipal de Cultura de Imbituba e foi iniciado e aprovado em 4 de novembro de 2014. O referido ‘Tombamento Provisório’ foi assim definido para que estudos em campo agora possam ser feitos para delimitar a área do entorno do bem tombado. Segundo a Superintendente de Cultura de Imbituba, Alessandra Santos, “Foi tombado provisoriamente para garantir a segurança do bem e agora será feito o estudo do entorno das dunas para delimitar a área“.

Integrantes do SOS Dunas da Ribanceira comemoram mais uma conquista

‘Subida pelo Fim’ em 2014. Foto: Eduardo Rosa.

Procurado pelo Surfemais, integrantes do SOS Dunas da Ribanceira, que acreditaram até o fim na preservação daquele imenso patrimônio, destacaram a importância deste dia. Débora Kieling, comemorou: “Que notícia maravilhosa!! Esse tombamento além de garantir a preservação contra futuras tentativas de minerar os recursos naturais, deveria preservar também de carros, motos etc de andarem nas dunas“.

Débora é moradora do bairro Vila Esperança, onde as dunas da Ribanceira estão localizadas. Ela é filha de Elizabeth Kieling que descobriu décadas atrás a grande importância arqueológica que as dunas continham, com achados históricos com mais de 2 mil anos de existência, e que o Instituto do Patrimônio Histórico e Cultural (IPhan) teve acesso durante pesquisa feita no local.

Reunião do CMPC que aprovou as dunas da Ribanceira como patrimônio cultural. Foto: João Batista Coelho Júnior

Beth Kieling, que estava em viagem no fechamento desta matéria, mesmo assim o Surfemais conseguiu contato com ela. Ela disse estar muito feliz com o Tombamento e que a luta foi árdua desde quando já havia descoberto achados arqueológicos nas dunas de Itapiruba, ao sul de Imbituba, ainda em 2004. “As dunas em Imbituba têm uma importância arqueológica inestimável e este tombamento veio para contribuir com a manutenção da beleza que as dunas tem no bioma de Imbituba“.

Busquei sob todas as formas tentar a preservação, não apenas o material histórico antropológico como tb o seu entorno. Não tendo eco, encontrei o pessoal do SOS dunas. Ali unimos forças e o resultado é finalmente o reconhecimento como área de preservação ( 2024). Importante a cronologia para se perceber o tempo que levou para se executar o óbvio!!”, completou Beth Kieling.

Seu Alvacírio, morador do bairro Arroio e um dos mais aguerridos na luta pela preservação das dunas, quando uma mineradora retirava em torno de 80 caminhões de areia por dia, e o movimento de caminhões abria rachaduras em sua casa, além da poeira, comemorou, “Que notícia boa que eu recebi nesta tarde de 1º de abril. Que bom, vamos comemorar sim é só me avisar que eu estou junto“.

Larissa Gabrieli que descobriu uma pequeno lagarto que está na lista vermelha internacional de extinção, comemorou mas, deixou o alerta: “Coisa boa hein!! Agora sim dá pra respirar, na verdade a luta continua. Estou morando na Guaiuba, em Imbituba, e nas dunas lá descobri também o mesmo lagarto da pesquisa, e deve ter muito material lítico com muitos sambaquis no entorno, e tenho denunciado a presença de veículos andando nas dunas!!

Resumo das atividades do SOS Dunas da Ribanceira.

Luiz Antonio Silva, um dos primeiros integrantes do SOS Dunas também deu seu recado: “Depois de uma grande mobilização do movimento SOS Dunas Ribanceira, finalmente conseguimos nosso objetivo, a preservação das Dunas da Ribanceira. Estive hoje na Secretaria da Cultura e da Educação e tive a grande noticia que seria publicado o Tombamento das Dunas da Ribanceira, nesse momento compartilhei essa grande notícia para meu amigo e companheiro de luta Eduardo Rosa“.

Para acessar o Diário Oficial dos Municípios e ver a Resolução do CMPC é só clicar aqui.

About Author

3 thoughts on “Dunas da Ribanceira, em Imbituba (SC) finalmente protegidas

  1. apoio pois as dunas estão aqui bem antes de nós temos que preservar e uma fauna maravilhosa quando criança era meu parque de diversões

  2. Porque o terreno que as dunas vão invadindo, deixando improdutivo, para a lavoura, para moradias etc… Não são deles, daí se torna fácil apoiar, sendo que para o dono das terras não é nada fácil conviver com esta areia invasora destruidora de terra fértil.

    1. E o “dono das terras” comprou de quem essas terras amigo? Grilou as terras dos ribeirinhos ou negociou com a Marinha? Ou comprou dos povos originários? O negacionismo faz uma força enorme para tentar o revisionismo histórico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *