25 de junho de 2024

Filipe Toledo vem para o Vivo Rio Pro como campeão do Surf City El Salvador Pro

0

Campeão mundial vinga derrota para Griffin Colapinto em 2022 e Caroline Marks supera Tyler Wright na primeira vitória do ano. Esta foi a última parada antes da etapa brasileira em Saquarema, Vivo Rio Pro apresentado por Corona começa sexta-feira, dia 23

Caroline Marks e Filipe Toledo com os troféus das vitórias em El Salvador. Foto: @WSL/Beatriz Ryder

Filipe Toledo vai chegar no Vivo Rio Pro apresentado por Corona como campeão do Surf City El Salvador Pro. Na sexta-feira, o campeão mundial vingou a derrota sofrida na final do ano passado para Griffin Colapinto e Caroline Marks festejou sua primeira vitória no ano, batendo a bicampeã mundial Tyler Wright. Filipe é tricampeão consecutivo da etapa brasileira do World Surf League (WSL) Championship Tour (CT) em Saquarema, onde só perdeu uma bateria em quatro anos. A busca pelo tetracampeonato começa na próxima sexta-feira, dia 23, na Praia de Itaúna que certamente estará lotada para assistir ao show dos melhores surfistas do mundo no Maracanã do surfe brasileiro.

“A gente está indo pro Brasil agora, para um evento que vai ser incrível, vai ser maravilhoso, então peço a torcida de vocês, para que a gente possa mostrar para o mundo todo, para a WSL, para os surfistas, o quão bom é o Brasil e quão grande vai ser evento”, disse Filipe Toledo, após a vitória no Surf City El Salvador Pro. “Quero agradecer toda a galera que está torcendo, me apoiando, me dando forças, obrigado de coração. O ano passado foi um ano longo, de muitas batalhas e eu consegui ser campeão. Vencer de novo mais um ano seguido é difícil, cansativo psicologicamente, então só tenho que agradecer a força de todos vocês, da minha família e a Jesus Cristo, que me trouxe até aqui”

Filipe Toledo usou os aéreos para vencer Ian Gentil nas semifinais. Foto: @WSL/Aaron Hughes.

No ano passado, o atual campeão mundial amargou uma derrota, por apenas 1 ponto de diferença para Griffin Colapinto, na estreia do Surf City El Salvador Pro no WSL Championship Tour. Esta foi a segunda final que os dois disputaram esse ano e Filipe ganhou as duas. A primeira foi em Sunset Beach, no Havaí, mas o norte-americano seguirá usando a lycra amarela no Vivo Rio Pro apresentado por Corona. Griffin confirmou a liderança do ranking quando se classificou para a final, mas a disputa entre os dois em Saquarema será fase a fase.

Filipe Toledo amanheceu a sexta-feira com fortes dores nas costas e se superou para vencer as duas baterias que disputou nas direitas de Punta Roca, em La Libertad. Nas semifinais, ele usou os aéreos, inclusive voando duas vezes numa mesma onda, para despachar o carrasco dos brasileiros em El Salvador, Ian Gentil. O havaiano já havia barrado o número 3 do ranking, João Chianca, nas oitavas de final e o campeão mundial Italo Ferreira nas quartas de final. Com as notas 8,67 e 8,00 das suas melhores ondas, Filipe derrotou o havaiano por 16,67 a 14,87.

Griffin Colapinto vai vestir a lycra amarela no Vivo Rio Pro em Saquarema. Foto: @WSL/Aaron Hughes.

14 Vitórias: “Tem sido divertido fazer essas finais com o Griffin”

Para conquistar a 14.a vitória em sua vigésima final em etapas do WSL Championship Tour, Filipe Toledo soube escolher as melhores ondas para utilizar o seu arsenal de manobras progressivas e inovadoras usando a borda da prancha. Quando Griffin Colapinto conseguiu a sua maior nota, 7,17, numa onda finalizada com um aéreo, Filipe respondeu destruindo uma onda com um ataque agressivo de frontside nos pontos mais críticos, variando as manobras com incrível velocidade. Os juízes deram nota 9,00 e logo ele repetiu a dose para somar 8,33 no maior placar do campeonato, 17,33 pontos, contra 12,10 do norte-americano.

“Tem sido divertido fazer essas finais com o Griffin (Colapinto), mas eu estava super focado hoje e essa vitória é para a minha mãe (Mari), porque é o aniversário dela hoje”, ofereceu Filipe Toledo. “Ontem (quinta-feira) eu acordei com uma dor nas costas e nem surfei. Hoje acordei pior ainda, mal conseguia caminhar, então tive que lutar contra a dor e virou uma batalha mental para conseguir competir. Mas, tive muito apoio da minha equipe, dos médicos da WSL e, na verdade, não doía para surfar, mas para caminhar e remar. Foi muito difícil e me sinto abençoado. Acordei achando que não ia poder surfar e olha onde estou agora, então tem que ter fé em Deus sempre e estou super grato por tudo”.

Griffin Colapinto e Filipe Toledo agora empatados em decisões de títulos no CT. Foto: @WSL/Beatriz Ryder.

Placar empatado: Etapa do Rio de Janeiro pode desempatar o placar 

Esta foi a quarta etapa do CT que Filipe Toledo e Griffin Colapinto decidem o título. O californiano ganhou as duas primeiras no ano passado, em Portugal e em El Salvador. O brasileiro agora empatou o placar, com as vitórias em Sunset Beach no Havaí e novamente em El Salvador. E esta foi a terceira final consecutiva do líder do ranking, Griffin Colapinto, sempre contra brasileiros. Ele perdeu a de Margaret River na Austrália para Gabriel Medina, ganhou a do Surf Ranch do Italo Ferreira e sofreu sua segunda derrota para Filipe Toledo, que encostou na liderança do ranking. Os dois estão a apenas 1.230 pontos de diferença e a briga pela ponta será a fase a fase no Vivo Rio Pro em Saquarema.

“Eu estava super empolgado por estar na final de novo com o Filipe (Toledo)”, disse Griffin Colapinto. “Nós tivemos grandes batalhas no ano passado, neste ano também e fizemos uma decisão muito disputada no ano passado aqui. Toda vez que surfamos um contra o outro, apenas tentamos dar tudo de nós, cada buscando o máximo para vencer. Eu tentei pegar bastante ondas na bateria, esperando entrar em um ritmo e foi isso que fiz, mas ele foi melhor”

Caroline Marks bateu sete títulos mundiais para vencer o Surf City El Salvador Pro. Foto: @WSL/Aaron Hughes

Primeira vitória: Caroline Marks marca sua primeira vitória no Mundial de Surf da WSL 

Na decisão do título feminino, a jovem norte-americana Caroline Marks, 21 anos, festejou no pódio do Surf City El Salvador Pro, a sua primeira vitória no ano. Ela já havia perdido a final da etapa de Sunset Beach para a australiana Molly Picklum e para a havaiana Carissa Moore no Surf Ranch Pro. Caroline vingou essa derrota para a pentacampeã mundial nas semifinais e depois bateu a bicampeã mundial Tyler Wright com a potência do seu backside nas direitas de Punta Roca. Com a vitória, subiu para o terceiro lugar no ranking das sete etapas completadas em El Salvador.

“Eu não ganhava um CT desde 2021, então estou superfeliz, este é o melhor sentimento do mundo”, disse Caroline Marks, que festejou o título junto com sua família. “Meus irmãos não vão a um campeonato há alguns anos, então talvez eu deva levá-los a todos os eventos agora (risos). Temos a disputa por vagas no WSL Finals, nas Olimpíadas também e eu quero estar em ambas. Estou me sentindo bem, muito motivada e sinto que estou conseguindo mostrar meu trabalho, então eu quero mais”

Fonte: João Carvalho – WSL Latin America Media Manager

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *