19 de junho de 2024

ItaIo Ferreira é Campeão Mundial de Surf

0

ItaIo Ferreira é campeão mundial na final com Gabriel Medina no Billabong Pipe Masters. O potiguar conquistou o título decidido na segunda final 100% brasileira nos tubos de Pipeline que fechou a temporada 2019 do World Surf League Championship Tour no Havaí

Ítalo Ferreira. Foto: Ed Sloane/WSL

O dia 19 de dezembro de 2019 entra na história do World Surf League Championship Tour, com uma final brasileira decidindo o título mundial no maior palco do esporte no Havaí e o novo campeão é Italo Ferreira. O potiguar surfou os melhores tubos para vencer Gabriel Medina na bateria que fechou a temporada 2019, com um show brasileiro em Pipeline e Backdoor.

O Brasil é agora tetracampeão mundial e o troféu de melhor surfista do mundo, pela primeira vez, vai para a Região Nordeste do país, para Baía Formosa, no Rio Grande do Norte, junto com o de campeão do Billabong Pipe Masters em homenagem à Andy Irons.

“Eu nem consigo acreditar que consegui, é irreal, não sei nem o que falar”, disse Italo Ferreira, muito emocionado. “Eu vim para Pipe há um mês para treinar, testar as pranchas e este troféu significa muito para mim. Foram grandes baterias hoje aqui, com o Gabriel (Medina), o Kelly (Slater), o Yago (Dora), o Peterson (Crisanto). Vocês todos me dão muita energia e eu apenas tento fazer o meu melhor a cada dia. Antes de começar o evento, fiquei olhando pro troféu, pensando se eu conseguiria ganhar e ele agora está aqui nas minhas mãos. Foi um ano realmente diferente e só tenho que agradecer à Deus por tudo”.

Italo também falou em português no pódio, para a transmissão ao vivo da WSL, sobre os outros dois brasileiros que chegaram disputando o título no Havaí: “O Gabriel (Medina) e o Filipe (Toledo) são, de certa maneira, responsáveis pelo o que eu sou hoje. Eu dedico todos os meus dias, os meus treinos, para ganhar desses caras, claro que os outros também que estão no circuito. Eu venho me dedicando muito por um objetivo e hoje acabei cumprindo isso, Graças à Deus. Os meus dias ajoelhados, meus dias de oração, dias que Deus me mostrou que era possível, valeram a pena e hoje consegui. Esse título dedico para minha avó e o meu tio, que se foram, mas devem estar em um lugar melhor agora lá em cima (choro)”.

Decisão Histórica: Brasil 100% na final em Pipe

Ítalo Ferreira e Gabriel Medina. Foto: Kelly Cestari/WSL

Numerologia a parte, mas, curiosamente, essa final histórica valendo título mundial no dia 19 de dezembro de 2019, era a nona da carreira de Italo Ferreira no CT e a 24.a de Gabriel Medina, que tem o dobro de temporadas na divisão de elite da World Surf League. A bateria que decidia o campeão de 2019, começou com Italo pegando a primeira onda aos 40 segundos, ganhando na remada forte com Medina, para pegar um belo tubo de backside nas direitas do Backdoor, que valeu 7,83.

Medina ficou com a prioridade de escolher a próxima onda. Os dois estavam lado a lado de novo e ele deixou passar uma pro Italo pegar outro tubo nas esquerdas de Pipeline, ainda mandar uma rasgada e um aéreo na finalização, para ganhar 6,17. Era como se o potiguar tivesse dado dois dribles em Medina, que respondeu com um tubaço mais profundo em Pipe, saindo na baforada com nota 7,77, para se manter na briga do título mundial.

Italo logo pega um canudo de frontside também em Pipeline, fica entocado atravessando a primeira placa, passa pela segunda, mas na saída a onda pegou o potiguar, que cai. Já Medina completa o dele, porém foi rápido e só rendeu 4,50. A próxima série demorou alguns minutos para surgir e Medina entrou num tubaço, mas fechou e a prioridade ficou para o Italo, quando o relógio marcava 20 minutos para o término do Billabong Pipe Masters.

Segundo tempo: Disputa aberta até o fim

Ítalo. Foto: Tony Heff/WSL

O potiguar ficou na frente na primeira metade da final, mas a disputa seguia aberta no segundo tempo, para quem surfasse os melhores tubos em Pipeline ou Backdoor. Uma série entrou 5 minutos depois e Italo escolheu sua onda, rodou um tubaço em Pipeline, mas ficou lá dentro. Medina pega a seguinte e faz o tubo, mas era uma onda menor e a nota saiu 5,17. Só que ele precisava de 6,24 pontos para superar o potiguar.

Medina ganha a disputa pela prioridade na remada de volta ao outside e Italo pega uma onda que ele deixa passar, bota pra dentro do tubo e sai antes de fechar, porém não troca o 6,17 da segunda nota computada. Ele volta a pegar outra onda deixada por Medina, o tubo foi bem melhor e finalizou com um aéreo full rotation perfeito, com grande amplitude, mostrando sua habilidade para ganhar 7,73 e abrir 7,80 de vantagem, quando restavam 7 minutos.

Na primeira tentativa, Medina erra na escolha da onda, que fechou rápido. A prioridade passa para o líder e o jogo mudou, com Medina pegando as que Italo deixa passar. Ele entrou em mais uma que fechou de novo, pegou outra fraca, mas fica ativo ao lado do Italo, que prefere manter a prioridade para uma série de ondas maiores. Só que veio uma calmaria e os dois sentados lado a lado, quando entrou uma série no último minuto, mas não mudou o placar de 15,56 a 12,94 pontos, que deu o título mundial de 2019 para Italo Ferreira.

“Eu quero agradecer a todos que torceram por nós, para o Brasil”, disse Gabriel Medina. “Essa onda é realmente especial e consegui surfar bons tubos. Na final não tive muita chance, mas contra do John John (Florence) veio bastante onda boa e foi muito especial, porque ele é um dos melhores do mundo e gosto muito de competir com ele. Quero agradecer também todos os locais daqui, por nos deixarem surfar essa onda. Esse é um dos meus lugares favoritos no mundo, estou orgulhoso com meu desempenho e já ansioso para o próximo ano”.

Finais brasileiras: Brasil, maior potência do surf Mundial

Medina; Foto: Tony Heff/WSL

Foi um momento épico, emblemático, que consagra o Brasil como uma das maiores potências do esporte. Esta é a segunda final brasileira no templo sagrado do esporte. A primeira foi em 2015, quando Gabriel Medina, campeão mundial de 2014, tinha garantido o segundo título brasileiro seguido para Adriano de Souza, ao derrotar Mick Fanning na primeira semifinal. Medina se tornava então, o primeiro brasileiro campeão da Tríplice Coroa Havaiana, mas Mineirinho foi o primeiro a vencer o Billabong Pipe Masters.

Agora, a vitória valia o título mundial e Italo e Medina já vinham brilhando nos tubos 6-8 pés da quinta-feira, para chegar na batalha final em igualdade de condições. Italo começou o dia ganhando os duelos brasileiros que abriram as oitavas e as quartas de final. Na semifinal, surfou dois tubaços e não deu qualquer chance ao Mr. Pipeline, Kelly Slater. Medina também ganhou por “combination”, o confronto de bicampeões mundiais com John John Florence nas quartas de final. No surfe, é como uma goleada no futebol, com seu oponente precisando de mais de dez pontos, ou seja, de uma combinação de duas ondas para vencer.

Usando a regra: Golpe de mestre pra chegar a final

Caio Ibelli e Gabriel Medina. Foto: Tony Heff/WSL

Antes, Medina deu um golpe de mestre em Caio Ibelli, usando bem o benefício da regra na bateria das oitavas de final, que foi bem fraca de ondas. Gabriel tinha a maior nota, 4,23 apenas, mas Caio não conseguiu surfar nada. Ele só pegou ondas que fecharam rápido e estava com a prioridade no final, quando entrou uma para ele que poderia rodar um tubão. Era a chance do Caio, porque precisava de pouco, só que Medina entrou na sua frente, cometendo uma “interferência”. A penalidade anula a segunda nota computada, mas ele sabia disso e acabou vencendo por 4,23 a 1,13 pontos das duas notas do Caio.

“Eu apenas joguei o jogo”, disse Gabriel Medina. “Faltavam 20 segundos para terminar a bateria e eu sabia que minha maior nota me garantia a vitória. Não sei se o Caio poderia conseguir o 5 e pouco que precisava, por isso fui na onda e fiz a interferência. Eu apenas tive que jogar o jogo. Às vezes, você pode usar as regras se precisar e foi o que fiz”.

Na etapa passada, em Portugal, Medina tinha chance de ser tricampeão mundial antecipado, mas perdeu para Caio fazendo uma interferência também no último minuto, achando que a prioridade era dele. Depois, deu altos tubos contra John John Florence e Gabriel surfou dois de forma incrível, para fazer um novo recorde de 17,63 pontos na quinta-feira, com notas 9,23 e 8,40. O havaiano só surfou um bom no Backdoor que valeu 7,50 e perdeu por “combination”. Nas semifinais, Medina achou um tubaço nota 8,00 para vencer o americano Griffin Colapinto por 13,00 a 7,10 pontos e confirmar a decisão do título mundial na grande final.

Caminho da Vitória: Potiguares curtem ascensão de Ítalo

Italo tinha acabado de derrotar Kelly Slater, que ainda tentava tirar a vaga nas Olimpíadas de John John Florence, mas precisava vencer o Billabong Pipe Masters. Slater entrou na bateria com o terceiro título de campeão da Tríplice Coroa Havaiana garantido, pela vitória de Griffin Colapinto sobre o taitiano Michel Bourez. Só que ele não conseguiu surfar nenhum tubo contra o Italo, que pegou um incrível que arrancou 8,60 dos juízes. Italo nunca perdeu para Slater e essa venceu fácil, 14,77 a apenas 2,57 pontos do Mr. Pipeline.

Italo estava sempre sendo o primeiro a competir, deixando a pressão para Medina que entrava depois, precisando passar também. Na primeira bateria do dia, as ondas não estavam muito boas, mas surfou o suficiente para derrotar Peterson Crisanto por 11,84 a 4,23 pontos. O nono lugar do paranaense no Pipe Masters, já bastava para confirmar sua permanência na “seleção brasileira” que vai disputar o CT 2020. Nas quartas de final, outro duelo brasileiro e os tubos apareceram para Italo Ferreira e Yago Dora fazerem os recordes do dia até ali. O potiguar ganhou 8,83 no melhor, que decidiu a vitória por 15,66 a 13,50 pontos do catarinense.

Fonte: João Carvalho – WSL Latin America Media Manager

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *