22 de fevereiro de 2024

Bióloga, Larissa Gabriely do Ecoimb, inicia sua coluna no Surfemais falando do lagarto Tropidurus imbituba, encontrado no canto da praia da Vila

Por Larissa Gabriely Fernandes

Você sabia que este lagarto da foto é endêmico de Santa Catarina (Brasil), mais especificamente de Imbituba? A equipe da @ingaia_ecoturismo fez o registro desse réptil durante uma caminhada na trilha ecológica do Farol.

Essa espécie se restringe ao Morro do Farol, no canto da Praia da Vila, não sendo encontrada fora dessa limitação. Por essa razão seu nome foi registrado em homenagem ao município: Tropidurus imbituba. A espécie foi idenfiticada por pesquisadores em 2013, mas já se encontra ameaçada de extinção.

Segundo o ICMBio, a principal ameaça à espécie é a alteração do ambiente causada pela intensa circulação de turistas no morro, a qual associada a lixos deixados pelos visitantes e, também, pela proximidade com o Porto de Imbituba, causando declínio continuado na qualidade do seu habitat.

Por ser uma espécie pouco estudada, sua biologia é desconhecida. Porém, sabe-se que a coloração se difere dos outros lagartos do mesmo gênero (Tropidurus): possui o seu ventre na cor laranja-bronze e uma faixa preta no pescoço, lembrando um colar.

Seu tamanho varia entre 9 e 12 cm na idade adulta e com a cauda a espécie chega a 20 cm. Os lagartos do gênero Tropidurus, no Brasil, podem ser encontrados na Caatinga, Cerrado, Floresta Amazônica, Mata Atlântica e Restinga. Em geral, ocorrem na América do sul.

Esses lagartos são diurnos/heliófilos (apreciam a luz solar), geralmente são forrageadores do tipo “senta-e-espera” e dependem da disponibilidade de alimentos, no entanto pode haver variação no tipo de forrageamento. Além disso, são répteis terrestres, podendo ser encontrados em rochas. Possuem corpo escamoso e são diferenciados pela disposição e coloração destas estruturas ao longo do dorso e ventre. Em alguns locais esses répteis são conhecidos como calango.

Os répteis são um dos animais mais afetados pelo aquecimento global. Por serem ectotérmicos (regulam sua temperatura de acordo com o ambiente externo) são considerados bioindicadores, pois, a temperatura determina o sexo dos seus embriões ainda dentro do ovo, definindo a proporção de machos e fêmeas nas populações, levando algumas espécies à extinção.

About Author

1 thought on “Lagarto emdêmico de SC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *