19 de junho de 2024

Um anticiclone histórico rumo à Europa: Algo está acontecendo no Atlântico

0

Há meses que dizemos que o oceano enlouqueceu. Quando não eram temperaturas muito altas, eram dinâmicas atmosféricas extremamente estranhas. E agora, com o ano prestes a terminar, o Atlântico parece determinado a destruir todos os recordes e a desenvolver um super anticiclone de intensidade incomum

Anticiclone irá alterar todo o clima neste final de ano no litoral da Espanha

E quando digo ‘incomum’ não estou exagerando: neste momento, parece claro que o anticiclone vai quebrar os recordes de baixa pressão do mês de dezembro no Atlântico; mas isso não é nada. De acordo com o modelo EPS, o superciclone tem 20% de probabilidade de bater recordes anuais em dezembro! Isto é, justamente quando deveria estar mais fraco.

Um oceano completamente deslocado

Como digo, estamos perante uma situação bastante excepcional, nada disto deveria estar acontecendo. É tão raro (ver um anticiclone desta intensidade nestas datas) que é o assunto da comunidade meteorológica internacional.

Não só pela sua força (isso também), mas pela sua persistência. Não importa qual modelo você olhe, todos alertam que a situação vai durar até janeiro.

E uma vez que não é tão espectacular como outros acontecimentos históricos a que assistimos este ano (especialmente porque não podemos classificar um anticiclone como de “alto impacto”), é claro que algo está errado no Atlântico. E o Atlântico está gritando isso. Gritos que não entendemos muito bem.

O que exatamente é um anticiclone?

Descobertos na década de 1860, os anticiclones são regiões atmosféricas nas quais a pressão é mais elevada do que nas áreas circundantes. Na sua explicação mais simples: estas altas pressões se devem ao fato de, ao contrário do que acontece numa tempestade, o ar das camadas superiores da atmosfera desce – e empurra – em direção à superfície.

Existem diversas explicações e vários tipos, mas o resultado é o mesmo: situações de clima estável e ausência de precipitação, já que os mecanismos envolvidos na formação dos anticiclones limitam a formação de nuvens. Mas, claro, é aí que falamos de um anticiclone normal.

E tal anticiclone só pode significar uma coisa: nada. O mais absoluto nada

E isso, para nós, é um problema. A partir de quinta-feira, quando termina uma pequena frente que atravessa a Espanha, toda a Península voltará a ter um céu irritantemente azul, geadas matinais e temperaturas não muito frias. Talvez chova no leste do Mar Cantábrico (norte da Espanha) e nos Pirenéus (Cordilheira que separa Espanha e França), mas o quadro geral é claro: nada. Um nada cheio de efeitos adversos, como alerta a AEMET, agência de meteorologia da Espanha.

Estes não são bons tempos para a estabilidade atmosférica na Europa e aqui no Brasil não é muito diferente. Recentemente, o Sudeste e Centro-Oeste do nosso país enfrentaram uma extensa onda de calor que elevou a temperatura de algumas capitais como Cuiabá, Mato Grosso, para acima dos 40°C.

Fonte: IGN.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *