24 de fevereiro de 2024

Contagem regressiva para o Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema

0

Prazo da etapa brasileira do CT começa na sexta-feira, dia 23, Na Praia de Itaúna, onde será inaugurada a reta final da temporada. Filipe Toledo vai tentar o tetracampeonato em Saquarema e Gabriel Medina e João Chianca também estão entre os top-5

Começou a contagem

Começou a contagem regressiva para o Vivo Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema, que será iniciado na próxima sexta-feira na Praia de Itaúna, o Maracanã do surfe brasileiro na Região dos Lagos do Rio de Janeiro. A etapa brasileira do World Surf League Championship Tour vai estrear o patrocínio naming rights da Vivo e inaugurar a reta final da temporada 2023. A maior arena do Circuito Mundial estará pronta para receber a maior torcida do mundo, para assistir ao show garantido das grandes estrelas do esporte e aproveitar as várias atrações extras dos patrocinadores, que acontecerão no período de 23 de junho a 1 de julho em Saquarema.  

“Acreditamos que o Vivo Rio Pro será uma oportunidade única para fortalecer a presença da marca no surfe, esporte democrático e presente em diversas regiões do Brasil, assim como a Vivo”, afirma Marina Daineze, diretora de Marca e Comunicação da Vivo. 

O Brasil é um dos poucos países que recebem etapas desde o início do Circuito Mundial, em 1976. Das 46 realizadas no país, 31 aconteceram no Rio de Janeiro, sempre com total apoio do Governo do Estado. Foram 26 na capital carioca e 5 em Saquarema, que vem sendo o palco da etapa brasileira do CT desde 2017. A maioria foi disputada na Barra da Tijuca, onde em 1992 Kelly Slater conquistou o primeiro dos seus 11 títulos mundiais e Mark Occhilupo e Sunny Garcia ganharam os únicos da carreira deles, em 1999 e 2000, respectivamente. 

Filipe Toledo voando para o tricampeonato na Praia de Itaúna em 2022. Foto: @WSL/Daniel Smorigo

“O Estado do Rio de Janeiro faz parte da história do Circuito Mundial de Surfe com campeonatos inesquecíveis na capital carioca e Saquarema vem se destacando no cenário internacional, como um dos maiores palcos do esporte”, destaca Ivan Martinho, presidente do escritório da World Surf League na América Latina. “Em Saquarema, conseguimos construir a maior arena de campeonatos de surfe no mundo, a cidade fica totalmente voltada ao surfe, a Praia de Itaúna sempre lotada torcendo pelos seus ídolos e certamente o sucesso se repetirá esse ano. Mas, importante destacar que tudo isso que vem acontecendo nos últimos anos, é graças ao apoio de marcas que acreditam no esporte patrocinando o evento, da Prefeitura de Saquarema e do sempre importante suporte do Governo do Estado do Rio de Janeiro”.

Foi em Saquarema, onde Filipe Toledo sacramentou no ano passado, um recorde de quatro vitórias em etapas do WSL Championship Tour no Rio de Janeiro, conquistando o tricampeonato consecutivo com os títulos de 2018 e 2019, antes da pandemia. Ele só perdeu uma bateria na Praia de Itaúna, em 2017, quando Adriano de Souza foi o campeão. Depois, ganhou todos os confrontos que disputou em Saquarema. Filipe já havia vencido uma etapa em 2015 na Barra da Tijuca, então também igualou o recorde de quatro vitórias no Brasil do Dave Macaulay, com a diferença de que a primeira do australiano foi em Santa Catarina, em 1986.

“Saquarema é um lugar muito especial, que eu gosto muito. Eu venho desde criança competir aqui em campeonatos amadores e hoje estou no Circuito Mundial. É muito gratificante, porque o carinho dessa galera local, não existe em nenhum lugar do mundo”, disse Filipe Toledo, quando conquistou o tricampeonato em Saquarema no ano passado, com um aéreo nota 10 na final brasileira com Samuel Pupo na Praia de Itaúna lotada. “Eu acho que a final é aquele momento que a gente não tem nada a perder. Ou é primeiro ou é segundo, então é quando eu dou meu máximo, dou meu melhor”, completou.

O brabo, Italo Ferreira, voando nas ondas de Itaúna no ano passado. Foto: @WSL/Daniel Smorigo.

Filipe Toledo se sagrou campeão mundial no ano passado e chega no Vivo Rio Pro apresentado por Corona na vice-liderança do ranking. O saquaremense João Chianca é o terceiro colocado e o tricampeão mundial, Gabriel Medina, assumiu a quinta posição na etapa de El Salvador, vencida por Filipe Toledo na sexta-feira. Medina aumentou para três, o número de brasileiros no grupo dos top-5, que no final da temporada vai disputar o título mundial no Rip Curl WSL Finals, em setembro na Califórnia. Ele também entrou na briga direta pelas duas vagas do Brasil, para os Jogos Olímpicos de Paris 2024. E ainda tem Italo Ferreira se aproximando dos top-5, subindo para o oitavo lugar em El Salvador.

Depois do Vivo Rio Pro apresentado por Corona promover a oitava etapa no Brasil, só restarão duas para fechar o World Surf League Championship Tour 2023 e definir os 5 homens e as 5 mulheres que irão disputar os títulos mundiais da temporada. A próxima é nos dias 13 a 22 de julho na África do Sul e a última nos dias 11 a 20 de agosto nos tubos de Teahupoo, no Taiti, onde serão disputadas as medalhas do surfe nas Olimpíadas da França no ano que vem. 

No próximo domingo tem espetáculo do Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira Foto: Divulgação FAB.

ATRAÇÕES EXTRAS – Além do show garantido dos melhores surfistas do mundo dentro d´água, o Vivo Rio Pro apresentado por Corona vai promover várias atrações para a torcida que sempre lota a Praia de Itaúna. Os patrocinadores estão preparando atividades que serão realizadas até nos dias que não houver competição, por falta de boas ondas. A etapa brasileira é a que monta a maior arena de campeonatos de surfe no mundo, são mais de 3.000 m2 de área construída nas areias de Itaúna, incluindo os estandes dos patrocinadores. 

Neste ano, vai acontecer até uma apresentação inédita do Esquadrão de Demonstração Aérea (EDA) da Força Aérea Brasileira (FAB), popularmente conhecido como Esquadrilha da Fumaça, em Saquarema. O espetáculo está marcado inicialmente para o domingo, dia 25 de junho, às 16h00 na Praia de Itaúna. Será um marco histórico em competições de surfe, pois apresentações militares em eventos esportivos, só aconteceram no Super Bowl e Fórmula 1. 

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *