19 de junho de 2024

Jeremy vence e Italo é vice do Quiksilver Pro France

0

Flores faz história como primeiro surfista francês a vencer em Hossegor. Moore conquista terceira vitória no Roxy Pro France e solidifica liderança no ranking. Medina mantém a lycra amarela

A vitória do francês. Jeremy Flores e o vice de Ítalo que o aproximou ainda mais da briga pelo título mundial, deram a tônica no último dia do Quik Pro France. Foto: Poullenot/WSL

Jeremy Flores (FRA) e Carissa Moore (HAW) venceram hoje o Quiksilver Pro e o Roxy Pro France, na finais contra Italo Ferreira (BRA) e Caroline Marks (EUA) disputado em tubos da La Graviere.

O Quiksilver Pro e o Roxy Pro France rolou em excelentes condições e os Top’s do CT apresentaram desempenhos surpreendentes nas perfeitas ondas da costa de La Graviere e as longas paredes abertas de La Nord. Os eventos culminaram em um dia de praia perfeito na França para coroar Flores e Moore em Hossegor.

Ítalo chega junto

Ítalo Ferreira voando alto em Hossegor. Foto: Poullenot/WSL

O potiguar Italo Ferreira foi o Brasil na decisão do título do Quiksilver Pro France, mas Jeremy Flores surfou um tubaço nota 9,67 em La Graviere logo na primeira onda e festejou junto com a torcida, a primeira vitória de um francês na história da etapa francesa do World Surf League Championship Tour.

Com o título, Jeremy subiu do 14º para o nono lugar no ranking e passou a ser o último com chances matemáticas de brigar pelo título mundial da temporada, que segue com Gabriel Medina e Filipe Toledo na frente. Ítalo ganhou a quarta posição e continua na disputa direta do título e pela vaga nas Olimpíadas de Tokyo 2020 no Japão com os líderes. No feminino, Carissa Moore venceu pela terceira vez na França e pode confirmar seu quarto título mundial já no MEO Rip Curl Pro Portugal, que começa nesta quarta-feira em Peniche.

“Estou muito feliz em fazer a final com o Jeremy (Flores) e parabéns a ele pela vitória”, disse Italo Ferreira. “Foi uma semana bem louca para mim e esse resultado eu dedico ao meu tio, que faleceu há alguns dias. Este foi o meu melhor resultado aqui e estou feliz por ter surfado bem hoje (sexta-feira) nessas condições difíceis. Foi muito bom e certamente estou bem mais animado e confiante para o próximo evento em Portugal”.

Italo Ferreira venceu a etapa portuguesa no ano passado e agora volta a brigar pela liderança do ranking, com o vice-campeonato em sua primeira final no Quiksilver Pro France. O último dia do evento rolou em condições desafiadoras em dois picos de Hossegor.

O potiguar de Baía Formosa era a última esperança do Brasil seguir na disputa do título no Quiksilver Pro France. Medina já tinha perdido para Adrian Buchan e Yago Dora foi eliminado também sem conseguir achar boas ondas na bateria antes dele, vencida pelo californiano Kolohe Andino por 10,33 a 6,00 pontos.

Medina segue na liderança

O bicampeão mundial Gabriel Medina, perdeu em La Nord, no mar difícil de achar boas ondas, por 10,00 a 9,50 pontos para o australiano Adrian Buchan. Medina segue vestindo a lycra amarela do Jeep Leaderboard no MEO Rip Curl Pro e buscando o tricampeonato mundial. Em Portugal, seu principal concorrente continua sendo Filipe Toledo, mas Jordy Smith, Kolohe Andino e agora, Italo Ferreira, também podem lhe tirar o primeiro lugar no ranking em Supertubos.

O catarinense cometeu uma interferência no final e só computou uma nota. Já Italo Ferreira começou bem o último dia, acertando as manobras na primeira onda que valeu 6,67. No final, surfou outra boa em La Nord para ganhar 7,17 e vencer o taitiano Michel Bourez por 13,84 a 8,06 pontos.

Nas quartas de final, fez um confronto direto pelo quarto lugar no ranking com Kolohe Andino e novamente confirmou a vitória em sua última onda. Italo tinha iniciado bem como nas oitavas, ganhando nota 7,60 em sua segunda onda, que somou com o 6,33 da última para superar o californiano por 13,93 a 11,36 pontos. Nas semifinais, o campo de batalha mudou das grandes paredes de La Nord formando lá no outside, para o inside de La Graviere, onde estava bombando altos tubos, principalmente nas direitas.

Flores faz história como primeiro surfista francês a vencer em Hossegor

Jeremy Flores bem a vontade em frente a sua torcida na França. Foto: Masurel/WSL

Eu realmente quero agradecer a todos os fãs aqui na praia”, disse Flores. “Você sempre esteve lá me apoiando, todos esses anos, através dos altos e baixos, e eu sinceramente nunca poderia ter feito isso sem você. Dedico esta vitória a Pierre Agnes, sem quem nunca seria quem sou hoje.

O herói local Jeremy Flores (FRA) conquistou a primeira vitória histórica de um surfista francês no Quiksilver Pro France em sua 14ª participação em casa. Aclamado como um dos melhores surfistas do mundo, Flores demonstrou a imensidão de seu talento no dia da final de hoje, conquistando grandes números em quatro manobras consecutivas com tubos perfeitos.

” Parabéns a todos os finalistas hoje“, continuou ele. “E especialmente as meninas, vocês intensificaram na La Graviere e isso foi incrível de assistir. Sinceramente, pensei que, no dia em que vencesse esse evento, me aposentaria logo depois, porque esse é o único evento que eu sonhei em vencer. Mas isso parece um pouco cedo e voltarei no próximo ano para tentar ganhar outro!

Moore conquista terceira vitória no Roxy Pro France e solidifica liderança no ranking

Carissa Moore levou a Taça em Hossegor. Foto: Poullenot/WSL

A tri-campeã da WSL Carissa Moore (HAW) conquistou uma surpreendente 23ª vitória no Championship Tour, consolidando ainda mais seu nome ao lado dos grandes nomes do surf. Em uma temporada consistente, a Havaiana chegou às quartas de final ou melhor em cada uma das oito paradas do ano e venceu duas delas. Perseguindo o quarto título mundial, Moore se distanciou de Lakey Peterson (EUA) com sua vitória na França e será difícil de vencer à medida que a temporada chegar às paradas finais em Portugal e em seu país natal, o Havaí.

Foi um ano muito especial até agora“, disse Moore. “Sinto que estou aprendendo muito, a cada passo do caminho, em todos os eventos e todos os anos. Definitivamente, este foi um evento especial, sendo capaz de compartilhá-lo com meu marido e Mitch Ross. Tenho uma equipe incrível de pessoas atrás de mim, minha família e amigos, meus patrocinadores e fãs que foram incríveis.

Atual líder do Mundial Feminino, Moore chegou à final contra Caroline Marks (EUA), tendo a confiança de duas vitórias anteriores em Hossegor e mostrou quando a havaiana intensificou seu jogo com tubos profundos em La Graviere.

Moore começou com um tubo limpo, com pontuação de 8,60, para ter uma vantagem forte. Enquanto Marks lutava para encontrar suas próprias ondas, Moore continuou avançando e, eventualmente, encontrou outro tubo ainda maior, mais longo e mais técnico para fazer uma nota 9,00 pontos e levar o evento.

Foi tão legal que eu nunca passei muito tempo surfando em La Graviere“, continuou ela. “Eu não tinha nenhuma expectativa e quando cheguei aos dois barris fiquei entusiasmado e compartilhá-lo com as multidões que estavam a poucos metros de mim era especial. “

Tabela de classificação do Mundial WSL 2019 após o Quiksilver Pro France:

  1. Gabriel Medina (BRA) – 48,015
  2. Filipe Toledo (BRA) – 45,730
  3. Jordy Smith (ZAF) – 43,515
  4. Italo Ferreira (BRA) – 42,400
  5. Kolohe Andino (USA) – 41,250

Classificação do Mundial WSL 2019 feminino, após o Roxy Pro France:

  1. Carissa Moore (HAW) – 57.260
  2. Lakey Peterson (EUA) – 49.935
  3. Sally Fitzgibbons (AUS) – 46.815
  4. Caroline Marks (USA) – 46,020
  5. Stephanie Gilmore (AUS) – 40.855

A próxima parada no CT de 2019 é o MEO Rip Curl Pro Portugal , que mantém uma janela competitiva de 16 a 28 de outubro de 2019 e, pela primeira vez, contará com homens e mulheres.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *