3 de março de 2024

Medina passeia em Lemore e Peterson vence na última

0

Gabriel Medina e o impressionante aéreo 360 gráus invertido. Foto: Vankirk/WSL

Vitória que valia a liderança do ranking WSL

O bicampeão mundial Gabriel Medina foi imbatível mais uma vez nas ondas perfeitas da piscina criada por Kelly Slater no interior da Califórnia e com Filipe Toledo sendo o segundo melhor surfista de novo no Surf Ranch. Medina confirmou o bicampeonato no Freshwater Pro apresentado por Outerknown, nas primeiras ondas que surfou na rodada final.

Começou com a maior nota do evento na esquerda, 9,93 pontos, que somou com 8,93 na direita para totalizar 18,86 pontos. Filipe tinha feito 17,33 com 9,63 na direita que lhe garantiu o segundo lugar, mas passa a lycra amarela do Jeep Leaderboard para Medina, porque a vitória valia a liderança no ranking do World Surf League Championship Tour.

Lakey Peterson e Gabriel Medina. Foto: Cestari/WSL

Foram três dias longos e é incrível conseguir a vitória contra esses caras. Eles são os melhores do mundo”, disse Gabriel Medina. “Essas duas primeiras ondas da final foram muito boas e é incrível derrotar surfistas como o Filipe (Toledo), o Julian (Wilson), o Owen (Wright), o (Griffin) Colapinto, todos eles surfam muito também. Estou feliz pela vitória e espero manter esta sequência de bons resultados até o fim. Fiquei muito contente com meu desempenho aqui e esses pontos são realmente importantes no ranking”.

O sábado decisivo do Freshwater Pro começou com os doze melhores da primeira fase, tendo a última chance de aumentar suas notas, para ficar no grupo dos oito que disputariam o título na rodada final, todos começando do zero. Medina já liderava a classificação e era o último a entrar, mas ninguém conseguiu superar seus 17,77 pontos, então se resguardou para a decisão. Os oito finalistas teriam duas chances de surfar e os quatro melhores ganhariam uma terceira onda para tentar a vitória.

Os quatro melhores a caminho da final e Medina se consagra

Filipe Toledo com dores nas costas mas surf afiado. Foto: Cestari/WSL

Todos os finalistas tiveram outra chance de aumentar suas notas para ficar entre os quatro melhores, que entrariam na iscina mais uma vez. O catarinense Yago Dora foi o primeiro e melhorou bem sua esquerda para 7,10.

Na direita, pegou o tubo mais profundo do evento, cerca de 7 segundos entocado lá dentro, saiu manobrando forte até o fim pra receber sua maior nota no Surf Ranch, mas o 8,10 foi insuficiente para chegar entre os 4 melhores. Yago terminou em sexto na classificação geral, dividindo o quinto lugar no campeonato com Julian Wilson, Adrian Buchan e Jordy Smith, último entre os oito.

Os quatro melhores tinham uma última chance de superar os 18,86 pontos do Medina. O primeiro a tentar foi Griffin Colapinto, que caiu nas suas duas ondas. Owen Wright foi o segundo e também fracassou, sem aumentar notas.

Filipe entrou na piscina caminhando lentamente, parecendo estar com as costas meio travada. Ele precisava trocar o 7,70 da esquerda e só foi chegar a onda para ele sair manobrando forte, voar num aéreo e seguir variando seu ataque a cada movimento, aí faz um “varial” trocando de base e pega o tubo de base trocada, como um goofy, porém fica lá dentro e não muda nada.

Gabriel Medina foi consagrado como bicampeão do Freshwater Pro, sem nem precisar surfar suas últimas ondas. Foi seu terceiro pódio consecutivo, para assumir a ponta do ranking. Ele entrou na briga com a vitória histórica de um goofy-footer nas direitas de Jeffreys Bay, que não acontecia há mais de 20 anos.

Depois, quase consegue o tricampeonato na temida bancada de Teahupoo, perdendo a final para Owen Wright. Agora, é bicampeão no Surf Ranch e ganha força para buscar o tri mundial na reta final da temporada. Em outubro, tem as duas últimas etapas antes da grande final no Havaí, na França e em Portugal.

Brasil na ponta da tabela e Ítalo em 5º

Medina e Toledo figuram nas duas primeiras posições do ranking WSL. Foto: Cestari/WSL

A disputa do título agora ficou mais concentrada nos brasileiros que provaram serem os surfistas mais completos do mundo, dominando novamente a etapa que exige o máximo dos atletas. por ter que mostrar ser bom surfando de frontside e de backside em condições iguais.

Medina tirou a liderança do ranking do Filipe, mas a diferença é pequena, 44.695 a 44.400 pontos. A briga pela ponta será fase a fase no Quiksilver Pro France, de 03 a 13 de outubro em Hossegor. Para ultrapassar os brasileiros, o sul-africano Jordy Smith tem que chegar nas quartas de final, enquanto Kolohe Andino só consegue com a vitória na França.

O potiguar Italo Ferreira é o quinto colocado e está fora da disputa pela liderança nesta etapa, pois o máximo que consegue são 44.600 pontos. Ele venceu a de Portugal no ano passado. Depois, os próximos brasileiros são o estreante na elite, Deivid Siilva, em 15.o lugar, Willian Cardoso em 19.o, Caio Ibelli em 21.o e Yago Dora em 22.o, fechando o grupo dos 22 que são mantidos no CT para o ano que vem. Yago é o último nessa lista, mas está garantindo sua permanência entre os dez indicados pelo WSL Qualifying Series.

Campeã com aéreo: Lakey leva a melhor na última contra Defay

Lakey também voou e garantiu a vitória. Foto: Vankirk/WSL

Diferente da categoria masculina, com Gabriel Medina sendo o surfista mais completo desde as classificatórias, a norte-americana Lakey Peterson só conseguiu o título na última chance para superar os 17,60 pontos da francesa Johanne Defay.

Ela aumentou a nota da esquerda de 6,93 para 8,70 e precisava de 8,91 na direita para vencer. Lakey manobrou forte, surfou bem os dois tubos e deixou o melhor pro final, surpreendendo com um aéreo reverse na saída do tubo. Os juízes deram nota 9,33 e Johanne teria que aumentar as suas. Na esquerda, para 9,04, mas não saiu do tubo. Teria que fazer 9,44 na direita, não conseguiu e Lakey Peterson foi a campeã por 18,03 a 17,60 pontos.

“Eu simplesmente não acredito, sinto que Deus estava comigo naquele momento e dei tudo o que eu tinha”, disse Lakey Peterson. “Tudo se juntou hoje e foi super especial, muito empolgante. Este ano está incrível, com tantas emoções diferentes. Obviamente, foi ótimo vencer aqui na busca do título mundial e ainda tem a disputa com a Carissa (Moore) e a Caroline (Marks) pela vaga nas Olimpíadas, enfim, muita coisa acontecendo e estou muito agradecida por ter conseguido vencer aqui”.

Fonte: João Carvalho – WSL Latin America Media Manager

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *