28 de fevereiro de 2024

Vídeo: Michael Rodrigues critica exclusividade de atletas com a WSL

0

Let’s Surf: Integrante da World Surf League (WSL), Michael Rodrigues, criticou a forma como a entidade/empresa impedem que os surfistas que integram naquele ano a Elite Mundial de Surf, disputem quaisquer outros eventos profissionais, como o Dream Tour da CBSurf, por exemplo, mesmo após terem caído no corte no meio da temporada.

MRod no Let's Surf. Foto/Reprodução do programa.

Em uma entrevista ao podcast Let’s Surf, Michael Rodrigues deixou claro sua insatisfação com a regra de exclusividade imposta pela World Surf League (WSL) aos surfistas, que hoje disputam o Circuito Mundial de Surf – CT -, o qual eles não podem participar de mais nenhuma competição profissional caso estejam na elite do surfe.

Apesar de não ter superado o corte no meio da temporada e, consequentemente, ter deixado o CT, MRod, no entanto, ainda segue impossibilitado de disputar outros eventos, como, por exemplo, etapas do Dream Tour da CBSurf. Michael fez questão de detalhar toda a situação e ainda disse que tenta reverter a decisão com a ajuda de advogados.

“Quem caiu não pode competir. Eu não to!! E não to recebendo”

A entrevista foi ao ar no dia 19 de julho, no podcast Let’s Surf, mas começou a viralizar nesta semana o corte feito do bate papo. “Quem caiu no tour este ano não pode competir. E eu não to!! E eu não to recebendo. Se eu recebesse mensal da WSL eu ficaria sem competir, mas a gente só recebe nas etapas que a gente competiu. Se eu tivesse no CT, eu acho justo, e ficaria sem competir. E no Challanger a grana é pouca“, comentou Michael.

Além disso, MRod comentou sobre a agonia de não poder competir e os caminhos que está buscando pra resolver esta situação, “Imagina como eu fico?!! Vai ter evento aqui na praia Mole – Dream Tour da CBSurf – eu vou ter voltado de Huntington, vou estar surfando todos os dias, natural. Ai não posso disputar?!!! To atras do Ivan – Martinho (WSL Latin America) – que nem doido, quero que ele me explique o que tá acontecendo, e to na luta ai com advogados. Vou tentar até onde der!!

“Saquarema foi um festival de música e não um foi um evento de surf”

Ele aproveitou também pra criticar o mega evento de Saquarema, no Rio de Janeiro, com relação a não autorizarem os atletas a disputarem outros eventos, por conta de precisarem de patrocínios, e a não remunerarem por isso também, “Segundo eles, o problema de não poder competir é que fica difícil vender patrocínio se a gente tiver no CBSurf. Não faz sentido porque o evento de Saquarema foi um festival de música, não foi um evento de surf. Tava todo mundo na doideira, os surfistas nem sabiam o que era campeonato. Então, libera pra gente também!!!

Abaixo o corte do podcast Let’s Surf:

Assista também a entrevista completa abaixo:

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *