2 de março de 2024

Caio, Tatiana e Silvana, avançam no CT da França

0

Depois de um dia parada, a etapa francesa do World Surf League Championship Tour retornou no sábado de tubos de 4-6 pés em La Graviere, mas as condições estavam difíceis para competir e só foram disputadas as repescagens, definindo os últimos nomes para completar a terceira fase do Quiksilver Pro e as oitavas de final do Roxy Pro France.

Caio Ibelli Foto: Damien Poullenot/WSL

Dos três brasileiros que competiram, apenas Caio Ibelli aproveitou a segunda chance de classificação, mas a gaúcha Tatiana Weston-Webb e a Silvana Lima avançaram juntas na disputa pelas últimas vagas. Com as previsões indicando que o mar não estará bom no domingo (06), a próxima chamada já foi marcada para as 9h00 da segunda-feira (07) na França, 4h00 da madrugada no Brasil.

O primeiro a se recuperar da derrota em último lugar em sua estreia na quinta-feira, foi o número 4 do ranking, Kolohe Andino, que venceu a primeira eliminatória do Quiksilver Pro France no sábado. No entanto, se o líder, Gabriel Medina, ganhar do francês Marco Mignot na terceira fase, já tira o californiano da briga pela lycra amarela do Jeep Leaderboard na França. Mignot passou junto com Kolohe, com ambos eliminando Jadson André. O potiguar foi em oito ondas na bateria, porém sem conseguir surfar nenhuma na difícil condição do mar.

No entanto, alguns conseguiram encontrar tubos incríveis em La Graviere nos confrontos seguintes. O outro convidado francês desta etapa, Marc Lacomare, pegou um nas esquerdas que arrancou a maior nota do Quiksilver Pro France esse ano, 9,10. Lacomare será o adversário de Filipe Toledo na quinta batalha por vagas para as oitavas de final na terceira fase.

Depois dele, o australiano Soli Bailey também achou um tubaço nas direitas e a nota 8,17 recebida decidiu sua vitória sobre os outros dois brasileiros que disputaram a repescagem no sábado. Na briga pela segunda vaga para a terceira fase, Caio Ibelli superou o também paulista Deivid Silva por 8,43 a 4,30 pontos.

Terceira fase: 9 brasileiros na disputa

Deivid Silva. Foto: Damien Poullenot/WSL

Com sua classificação, subiu para nove o número de brasileiros que seguem na disputa do título do Quiksilver Pro France, enquanto Jadson André e Deivid Silva saíram da briga na 33.a e última posição nesta primeira das duas provas da “perna europeia”. Eles já podem partir para Portugal, para já irem treinando nas ondas de Supertubos em Peniche, onde o MEO Rip Curl Pro irá promover o penúltimo desafio do WSL Championship Tour 2019.

Caio Ibelli está substituindo o capitão da ‘seleção brasileira’ do CT, Adriano de Souza, nestas três últimas etapas da temporada. Mineirinho voltou a sentir a contusão no joelho sofrida no ano passado e só volta a competir em 2020. Caio será o primeiro a disputar classificação para as oitavas de final em Hossegor, contra o francês Jeremy Flores na segunda bateria. O cearense Michael Rodrigues está na quarta com Ryan Callinan, vice-campeão do Quiksilver Pro France em 2018, na final australiana com Julian Wilson.

O próximo a competir na terceira fase é o vice-líder do ranking, Filipe Toledo, que voltou a sofrer com as dores nas costas, que já vinha sentindo nas duas últimas competições que participou, no ISA Surfing Games do Japão e no Freshwater Pro no Surf Ranch. Filipe vai enfrentar o francês Marc Lacomare na quinta bateria. O catarinense Willian Cardoso entra no duelo seguinte, para um desafio dos surfistas mais “power surf” da elite, com o australiano Wade Carmichael.

Os outros brasileiros estão na chave de baixo do Quiksilver Pro France, que vai apontar o segundo finalista em Hossegor. Tricampeão desta etapa e duas vezes vice-campeão, Gabriel Medina faz sua segunda defesa da lycra amarela do Jeep Leaderboard na nona bateria, contra mais um francês convidado, Marco Mignot, o mesmo que ele mandou para a repescagem na primeira fase. Depois, tem o paranaense Peterson Crisanto contra o havaiano Seth Moniz na 11.a, o catarinense Yago Dora na 14.a com o americano Griffin Colapinto e a terceira fase será fechada com um duelo brasileiro, entre o potiguar Italo Ferreira e o paulista Jessé Mendes.

Silvana Lima avança para as oitavas e sobe uma posição no ranking

Silvana Lima. Foto: Damien Poullenot/WSL

Silvana chegou na França em 13.o no ranking e já ganhou uma posição com a passagem para as oitavas de final, enquanto Paige Hareb permanece em 16.o lugar. Para a cearense, são dois objetivos a serem cumpridos, entrar na lista das dez primeiras colocadas no ranking que são mantidas na elite para o ano que vem e conquistar a vaga para as Olimpíadas. Ela conseguiu dar o primeiro passo, mas foi no sufoco, só na última onda que surfou na bateria.

A gaúcha criada nas ondas do Havaí, Tatiana Weston-Webb, defende a oitava posição no ranking e começou bem com nota 5,17 para liderar todo o confronto, até confirmar a vitória com o 5,77 da sua última onda. Silvana tinha um 4,50 e precisava trocar o 2,50 da onda seguinte por uma nota maior, para superar os 7,53 pontos da australiana Bronte Macaulay. Ela tentou três vezes, sem sucesso, mas na última onda, conseguiu uma nota 3,13 para atingir 7,63 pontos e ficar com a última vaga para as oitavas de final.

Oitavas de final: Silvana enfrenta Lakey Peterson

Tatiana Weston-Webb. Foto: Damien Poullenot/WSL

A cearense agora vai disputar a primeira classificatória para as quartas de final com a vice-líder do ranking, a californiana Lakey Peterson, campeã do Freshwater Pro no Surf Ranch. Lakey tenta tirar a lycra amarela do Jeep Leaderboard de Carissa Moore, que faz um duelo havaiano com Coco Ho na terceira oitava de final. Na quarta, Tatiana Weston-Webb enfrenta a australiana Keely Andrew e a outra concorrente pela liderança do ranking no Roxy Pro France, Sally Fitzgibbons, entra na bateria seguinte com Paige Hareb, com toda a torcida de Silvana Lima para a australiana.

Fonte: João Carvalho – WSL Latin America Media Manager

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *