20 de abril de 2024

Seleção brasileira escalada para o terceiro desafio do WSL Championship Tour 2024

0

A seleção brasileira já está escalada para o terceiro desafio do World Surf League (WSL) Championship Tour (CT) 2024, nos dias 6 a 16 de março em Portugal. O Brasil é recordista de títulos nas ondas de Supertubos, em Peniche, com 6 vitórias nas 13 etapas disputadas desde 2009, ou 7 incluindo uma da Tatiana Weston-Webb em 2022. O MEO Rip Curl Pro Portugal apresentado por Corona é a etapa do CT 2024 fora do Brasil, com mais vitórias verde-amarelas na história.

Italo Ferreira com o troféu do bicampeonato em 2019. Foto: @WSL/Damien Poullenot.

O primeiro a festejar um título em Portugal, foi o eterno capitão da seleção brasileira da WSL, Adriano de Souza, com uma vitória memorável, inesquecível, sobre Kelly Slater em uma final com ondas épicas em Supertubos em 2011. A segunda vitória foi em 2015, com Filipe Toledo vencendo o show de aéreos na decisão brasileira com Italo Ferreira. A terceira veio em 2017, com Gabriel Medina vingando a derrota sofrida para o mesmo australiano Julian Wilson, na primeira final entre eles em 2012. Na sequência, Italo Ferreira garantiu o tricampeonato do Brasil no MEO Rip Curl Pro Portugal, conquistando um bicampeonato consecutivo em 2018 e 2019.

Em 2018, o potiguar voador derrotou o francês Joan Duru na final e em 2019, Italo Ferreira liquidou o sul-africano Jordy Smith com seus aéreos em Supertubos. A etapa portuguesa não aconteceu em 2020 e 2021 por causa da pandemia e retornou em 2022, com Filipe Toledo sendo vice-campeão contra o norte-americano Griffin Colapinto. Mas nesse ano, Tatiana Weston-Webb comemorou mais um título brasileiro em Supertubos. No ano passado, João Chianca, o Chumbinho, conseguiu a primeira vitória da sua carreira, batendo o australiano Jack Robinson na decisão do título.

Tatiana Weston-Webb campeã em 2022. Foto: @WSL/Thiago Diz.

Existia a expectativa de João Chianca poder defender seu título no MEO Rip Curl Pro Portugal, porém ele continua em tratamento do acidente sofrido em Pipeline no final do ano passado. O bicampeão mundial, Filipe Toledo, também não vai competir, porque pediu licença a WSL para tratar da saúde mental esse ano. Apesar dos dois desfalques, a seleção brasileira da WSL continua forte para tentar aumentar o seu recorde em Supertubos, com sete candidatos ao título masculino e duas concorrentes no feminino.

 Se o MEO Rip Curl Pro Portugal for iniciado pelas mulheres, a estreia da seleção brasileira acontece na segunda bateria, com Luana Silva já encarando a campeã em Sunset Beach e líder do ranking, Molly Picklum, além da também australiana Sophie McCulloch. A campeã em Portugal em 2022, Tatiana Weston-Webb, estreia na quinta bateria com a francesa Johanne Defay e a australiana India Robinson. Na competição feminina, as duas melhores em cada confronto, avançam direto para as oitavas de final. Mas, as últimas colocadas têm uma segunda chance de classificação na repescagem.

Gabriel Medina festejando sua vitória em 2017. Foto: @WSL/Damien Poullenot.

Caso o MEO Rip Curl Pro Portugal comece pela categoria masculina, a seleção brasileira também estreia na segunda bateria, com Deivid Silva enfrentando dois havaianos, Barron Mamiya e Imaikalani deVault. Os outros seis foram escalados nas últimas da primeira fase. Miguel Pupo está na nona bateria, com o australiano Ryan Callinan e o marroquino Ramzi Boukhiam. Depois, vem duas participações duplas do Brasil, disputando duas vagas diretas para a terceira fase, com o último caindo para a repescagem.

Na décima bateria, tem Gabriel Medina e Samuel Pupo, contra o italiano Leonardo Fioravanti. Na 11.a, são Italo Ferreira e Caio Ibelli, com o havaiano Ian Gentil. Já Yago Dora vai disputar as últimas vagas diretas para a terceira fase, com o australiano Liam O´Brien e o português Frederico Morais. A seleção brasileira precisa iniciar uma recuperação no MEO Rip Curl Pro Portugal, pois apenas Italo FerreiraMiguel Pupo e Yago Dora, estão entre os 22 primeiros colocados no ranking, após as duas primeiras etapas no Havaí.

Adriano de Souza iniciou o recorde brasileiro em 2011. Foto: @WSL/Kelly Cestari.

Depois do MEO Rip Curl Pro Portugal, só terão mais duas na Austrália para o corte do meio da temporada, o Rip Curl Pro Bells Beach de 26 de março a 5 de abril e o Western Australia Margaret River Pro nos dias 11 a 21 de abril. Serão mantidos na elite e já garantidos no CT 2025, os 22 primeiros colocados no ranking masculino e as 10 melhores do feminino. Esse grupo vai seguir tentando vagas na lista dos top-5 e das top-5 do ranking, que vão decidir os títulos mundiais no WSL Finals em Trestles. As etapas passarão a ter 24 homens e 12 mulheres, com 2 convidados completando cada categoria.

Italo Ferreira fez três finais em Supertubos com seus aéreos. Foto: @WSL/Damien Poullenot.

PRIMEIRA FASE DO MEO RIP CURL PRO PORTUGAL:

CATEGORIA MASCULINA – 1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.a=Repescagem:
1.a: Connor O´Leary (JPN), Jake Marshall (EUA), Cole Houshmand (EUA)
2.a: Barron Mamiya (HAV), Imaikalani deVault (HAV), Deivid Silva (BRA)
3.a: Griffin Colapinto (EUA), Callum Robson (AUS), Kelly Slater (EUA)
4.a: John John Florence (HAV), Jacob Willcox (AUS), Marco Mignot (FRA)
5.a: Ethan Ewing (AUS), Rio Waida (IDN), Joan Duru (FRA)
6.a: Jack Robinson (AUS), Crosby Colapinto (EUA), Joaquim Chaves (POR)
7.a: Jordy Smith (AFR), Matthew McGillivray (AFR), Kade Matson (EUA)
8.a: Kanoa Igarashi (JPN), Seth Moniz (HAV), Eli Hanneman (HAV)
9.a: Ryan Callinan (AUS), Miguel Pupo (BRA), Ramzi Boukhiam (MAR)
10: Leonardo Fioravanti (ITA), Gabriel Medina (BRA), Samuel Pupo (BRA)
11: Ian Gentil (HAV), Italo Ferreira (BRA), Caio Ibelli (BRA)
12: Yago Dora (BRA), Liam O´Brien (AUS), Frederico Morais (POR)

CATEGORIA FEMININA – 1.a e 2.a=Oitavas de Final / 3.a=Repescagem:
1.a: Caitlin Simmers (EUA), Isabella Nichols (AUS), Alyssa Spencer (EUA)
2.a: Molly Picklum (AUS), Luana Silva (BRA), Sophie McCulloch (AUS)
3.a: Caroline Marks (EUA), Gabriela Bryan (HAV), Francisca Veselko (POR)
4.a: Bettylou Sakura Johnson (HAV), Lakey Peterson (EUA), Sawyer LIndblad (EUA)
5.a: Johanne Defay (FRA), Tatiana Weston-Webb (BRA), India Robinson (AUS)
6.a: Tyler Wright (AUS), Brisa Hennessy (CRC), Sally Fitzgibbons (AUS)

RANKINGS DA WORLD SURF LEAGUE – após as 2 etapas do Havaí:

TOP-10 DO RANKING MASCULINO:
1.o: John John Florence (HAV) – 12.545 pontos
2.o: Jack Robinson (AUS) – 11.330
2.o: Barron Mamiya (HAV) – 11.330
4.o: Jordy Smith (AFR) – 10.830
5.o: Connor O´Leary (AUS) – 9.405
6.o: Kanoa Igarashi (JPN) -9.130
7.o: Ethan Ewing (AUS) – 8.065
7.o: Liam O´Brien (AUS) – 8.065
9.o: Ryan Callinan (AUS) – 7.415
9.o: Ian Gentil (HAV) – 7.415
——-posições dos brasileiros
13.o: Italo Ferreira (RN) – 6.075 pontos
17.o: Yago Dora (SC) – 4.650
17.o: Miguel Pupo (SP) – 4.650
26.o: Gabriel Medina (SP) – 2.660
26.o: Samuel Pupo (SP) – 2.660
26.o: Deivid Silva (SP) – 2.660
32.o: Caio Ibelli (SP) – 1.595
34.o: João Chianca (RJ) – 530
35.o: Filipe Toledo (SP) – 265

TOP-10 DO RANKING FEMININO:
1.a: Molly Picklum (AUS) – 17.800 pontos
2.a: Caitlin Simmers (EUA) – 14.745
3.a: Bettylou Sakura Johnson (HAV) – 13.885
4.a: Brisa Hennessy (CRC) – 12.170
5.a: Caroline Marks (EUA) – 10.830
6.a: Johanne Defay (FRA) – 9.490
7.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 7.355
7.a: Isabella Nichols (AUS) – 7.355
7.a: Luana Silva (BRA) – 7.355
10.a: Lakey Peterson (EUA) – 5.790

Fonte: João Carvalho – WSL Latin America Media Manager.

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *