24 de julho de 2024

Medina leva o Brasil as Olimpiadas e Fitzgibbons conquista a inédita quarta medalha de ouro nos ISA World Surfing Games de 2024

0

Brasil solidifica classificação geral masculina e feminina, ganha uma vaga olímpica extra por gênero, enquanto a seleção Francesa fica com a medalha de prata por equipes, Austrália, bronze, Espanha, cobre. O imparável Gabriel Medina conquista a segunda medalha de ouro e a vaga olímpica para o Brasil. A 4ª medalha de ouro dos Jogos Mundiais de Surf para Sally Fitzgibbons (AUS) a coloca em um patamar acima

Seleção Brasileira. Foto: Pablo Jimenez

Milhares de espectadores fizeram fila na orla de Arecibo para assistir Gabriel Medina (BRA) e Sally Fitzgibbons (AUS) reivindicarem a vitória nos 2024 ISA World Surfing Games (WSG). O swell de quatro a seis pés atingindo o recife de Rastrial forneceu a tela para um dia de finais incrivelmente emocionante que manteve campeonatos mundiais de equipes, vagas olímpicas nacionais e medalhas de ouro pessoais em jogo.

Ao longo de uma longa semana de condições variadas, nada impediu o treino de Gabriel Medina (BRA), tricampeão da WSL e Campeão Mundial Júnior Sub/18 do ISA 2010, que não errou uma única vez durante todo o pevento, vencendo de forma convincente todas as baterias em que participou.

Sua vitória, junto com a medalha de prata da atual campeã Tatiana Weston-Webb (BRA), ajudou a Seleção Brasileir a trazer para casa o Título Mundial por Equipes, junto com ambas as vagas olímpicas individuais disponíveis para a classificação, separadas por gênero. O Brasil passará a ter o maior número de surfistas nos Jogos Olímpicos Paris 2024, três homens e três mulheres.

Gabriel Medina, Team Brazil. Foto: Jersson Barboza.

Sally Fitzgibbons (AUS) aumentou ainda mais seu próprio recorde como a surfista mais vencedora da história do ISA ao conquistar uma quinta medalha de ouro sem precedentes (4 no ISA Surfing Games e 1 no ISA World Juniors). Mantendo-se na Rodada Principal até o Dia da Final a atleta de 33 anos caiu para a repescagem no último round antes da Grande Final surfando três baterias hoje antes de atingir o pico quando mais importava para destacar, colocando seu nome nos livros de história para a Austrália, com mais uma medalha de bronze por equipe no processo.

Gabriel Medina (BRA) conquista a primeira medalha de ouro nos Jogos Mundiais de Surf e a vaga olímpica para o Brasil

Com Yago Dora (BRA) perdendo na primeira bateria do dia, Gabriel Medina (BRA) precisou de circunstâncias muito específicas para seguir seu caminho para o Brasil conquistar a vaga olímpica. Na final tudo ficou ainda mais complicado, ele precisava vencer a bateria e que Ramzi Boukhiam (MAR) ficasse em segundo lugar. Qualquer outro cenário e a França ganharia a vaga.

Desempenhos incríveis durante toda a semana dos companheiros de equipe franceses Joan Duru (FRA) e Kauli Vaast (FRA) viram os dois surfistas na final, tornando-a uma batalha totalmente perdida. Medina não perdeu tempo em fazer uma declaração, abrindo em seu frontside com um enorme aéreo reverso, conseguindo ainda uma batida na seção final levando assim uma nota 9 pontos. Vaast não parava de pegar onda, embora só conseguisse encontrar pontuações médias.

Enquanto isso, Boukhiam colocou em jogo seu poderoso frontside, chegando aos 8,17 pontos, e ainda um 7,17 pontos, para assumir a liderança no meio da bateria. Na marca dos cinco minutos, Medina chegou uma vantagem pequena, mas Vaast estava cada vez mais encontrando ondas e pontos maiores, ultrapassando Boukhiam em segundo. No entanto, quando sirene tocou, Medina aumentou já havia aumentado ainda mais sua pontuação e chegava a medalha de ouro.

Boukhiam permaneceu em segundo, conquistando a medalha de prata, Vaast ficou em terceiro para levar o bronze, Duru em quarto com o cobre, e a tempestade perfeita para o Brasil estava completa. Medina soma o ouro dos Jogos Mundiais de Surf ao ouro do ISA World Juniors que conquistou em 2010 aos 16 anos.

Sally Fitzgibbons, seleção australiana Australia. Foto: Pablo Franco.

Do jeito que aconteceu, fiquei muito emocionado”, disse Medina. “Porque no meio da bateria eu estava tipo ok, talvez eu precise de outro placar, porque o Ramzi pegou duas bombas e eu estava esperando uma onda melhor, sabe, uma onda de Deus, porque eu estava pensando de jeito nenhum que Kauli ou Joan chegariam ao segundo lugar, mas fiquei tipo tanto faz, eu tenho fé, e Deus está guiando, então vamos lá, vamos nos divertir. Então, tentei me divertir na bateria, não se preocupe com os outros. Eu sabia com estava a bateria,, não havia nada que eu pudesse fazer além de surfar.

A 4ª medalha de ouro dos Jogos Mundiais de Surf da ISA para Sally Fitzgibbons (AUS)

Todas as quatro finalistas femininas tiveram a oportunidade de ganhar uma vaga olímpica para seu país, embora seus cenários fossem muito mais complicados que os dos homens. A atual campeã, Tatiana Weston-Webb (BRA), duas vezes medalhista, Johanne Defay (FRA), a recentemente qualificada atleta Paris 2024 Nadia Erostarbe (ESP) e a surfista mais vencedora da história do ISA, Sally Fitzgibbons (AUS), deram tudo de si, sabendo o que estava em jogo para si e para a sua nação.

A surfista mais consistente da semana, Defay abriu com um 6,00, mantendo uma vantagem inicial, mas logo foi alcançada por um 6,77 de Weston-Webb em um combo de seu backside, antes do surf veloz de Fitzgibbons lhe render um 6,83. Um segundo 6,00 de Defay a manteve na liderança, com Fitzgibbons e Weston-Webb inicialmente incapazes de aumentar suas pontuações, mas à medida que a bateria avançava, Fitzgibbons encontrou um 6,27 para solidificar a liderança e reivindicar sua quarta medalha de ouro WSG.

Não acredito”, disse Fitzgibbons, também medalhista de ouro mundial júnior do ISA Sub18 em 2007. “Esse tipo de onda me desafiou a semana toda e eu sabia que tinha que continuar me colocando na corrida e tentar fazer todas aquelas baterias e chegar à final. Eu realmente tentei apenas relaxar no meu surf e procurar algumas dessas seções maiores porque elas eram as melhores.”

Com Erostarbe incapaz de encontrar uma pontuação melhor, os resultados de Weston-Webb e Defay determinariam o vencedor do ranking da equipe feminina. Se Defay ficasse em primeiro, a França ficaria com o título, se Weston-Webb ficasse em segundo ou terceiro, o Brasil ficaria com ele. Fitzgibbons fez tudo que pode para conquistar a vaga para seu país, mas no final isso saiu de seu controle, já que Weston-Webb conquistou a medalha de prata, entregando a vaga para o Brasil. Defay ficou com a medalha de bronze, Erostarbe, cobre. Weston-Webb ficou em estase ao completar o quadro e entregar ao Brasil seis vagas olímpicas.

Nosso objetivo era vir aqui para conseguir essas duas vagas e nós as conseguimos”, disse Weston-Webb. “A equipe esteve muito focada a semana toda e sempre nos apoiamos, e é isso que o Brasil é.” O esforço de Fitzgibbons para garantir a vaga adicional para a Austrália, aproximando-os o mais possível, foi um momento de orgulho.

Na minha história, tive muitos desses momentos em que quase ocorreram acidentes no percurso”, disse Fitzgibbons. “Tento realmente apenas olhar para o que está acontecendo e fazer tudo o que posso. Para ganhar aquela medalha de ouro para o meu país, esse momento é agora, e isso é tudo que posso fazer sob meu controle. Aprendi a lidar com eles e realmente ver a beleza neles. Há decepção aí, mas por outro lado eu simplesmente não poderia estar mais feliz e é nisso que me concentro.”

O presidente da ISA, Fernando Aguerre: “Nunca esqueceremos Porto Rico!!”

Que dia, semana e campeonato incríveis. Nunca esqueceremos Porto Rico, nunca esqueceremos estes melhores Jogos Mundiais de Surf de todos os tempos. Voltamos para casa como embaixadores de Porto Rico. Nossa esperança é estar de volta. Parabéns a todos os atletas, a todas as delegações. Nos veremos em julho em Teahupo’o para os Jogos Olímpicos de Paris 2024.

RESULTS

Team Rankings
Gold – Brazil
Silver – France
Bronze – Australia
Copper – Spain

Women
Gold – Sally Fitzgibbons (AUS)
Silver – Tatiana Weston-Webb (BRA)
Bronze – Johanne Defay (FRA)
Copper – Nadia Erostarbe (ESP)

Men
Gold – Gabriel Medina (BRA)
Silver – Ramzi Boukhiam (MAR)
Bronze – Kauli Vaast (FRA)
Copper – Joan Duru (FRA)

NATIONS WITH EXTRA OLYMPIC SLOT

2024 WSG
Women – Brazil
Men – Brazil

2022 WSG
Women – USA
Men – Japan

PARIS 2024 QUALIFIED ATHLETES FROM 2024 WSG

Women

Anat Lelior (ISR)
Camilla Kemp (GER)
Janire Gonzalez-Extabarri (ESP)
Nadia Erostarbe (ESP)
Siqi Yang (CHN)
Sol Aguirre (PER)
Taina Hinckel (BRA)
Yolanda Sequeira (POR)

Men

Alonso Correa (PER)
Andy Criere (ESP)
Joan Duru (FRA)
Ramzi Boukhiam (MAR)
Rio Waida (INA)
Tim Elter (GER)

PREVIOUSLY QUALIFIED ATHLETES

Women

Qualified via 2023 ISA WSG

Saffi Vette (NZL)
Sarah Baum (RSA)
Shino Matsuda (JPN)
Vahine Fierro (FRA)

Qualified via WSL Championship Tour

Brisa Hennessy (CRC)
Carissa Moore (USA)
Caroline Marks (USA)
Johanne Defay (FRA)
Molly Picklum (AUS)
Tatiana Weston-Webb (BRA)
Teresa Bonvalot (POR)
Tyler Wright (AUS)

Men

Qualified via 2023 ISA WSG
Alan Cleland Jr (MEX)
Billy Stairmand (NZL)
Kauli Vaast (FRA)
Reo Inaba (JPN)

Qualified via WSL Championship Tour

Ethan Ewing (AUS
Filipe Toledo (BRA)
Griffin Colapinto (USA)
Jack Robinson (AUS)
João Chianca (BRA)
John John Florence (USA)
Jordy Smith (RSA)
Matthew McGillivray (RSA)
Kanoa Igarashi (JPN)
Leonardo Fioravanti (ITA)

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *